quinta, 03 de dezembro de 2020
27/11/2020

Pandemia reduz contratação de temporários no litoral de SC


Segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (26), 49,2% das empresas do litoral de Santa Catarina não pretendem contratar funcionários temporários para este verão. Já 40% afirmou que realizará contratações e os outros 10,8% ainda não souberam responder. 

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de SC (Fecomércio/SC), realizadora da pesquisa, explicou que a baixa intenção de contratar está relacionada com a perspectiva de menor movimentação de turistas no litoral por conta da pandemia.

A quantidade de funcionários contratados também deve cair: 44,9% dos empresários disseram que contratarão menos trabalhadores na comparação com a temporada passada. Já 47,9% devem manter a mesma quantidade, enquanto 5,2% querem aumentar o número de contratados.

O segmento com a maior queda é o de vestuário, calçados e acessórios: 28,4% dos empresários do setor afirmaram que contratarão menos funcionários neste ano. Outra retração importante é na hoteleria, com 23,5% diminuindo o número de contratações. Em compensação, 24,3% dos empresários do setor de mercados e supermercados pretendem aumentar o número de temporários.

De acordo com a Fecomércio/SC, o resultado é reflexo do comportamento dos segmentos durante a pandemia. Enquanto o setor de vestuário e calçados registrou queda nas vendas, os supermercados e mercados obtiveram resultados positivos no período.

A pesquisa mostrou ainda que, em média, cada empresa deve contratar cinco funcionários, com a maioria dos contratos começando em dezembro e encerrando em março. Além disso, 65,9% dos empresários afirmaram que podem efetivar os temporários no final dos contratos, número considerado animador pela entidade.



Blog

Itajaí pode iniciar operações com veículos no próximo sábado, 09

A APM Terminals Itajaí pode operar no sábado, 09, uma escala teste para importações de carros da General Motors que foram embarcados no México. A superintendência do Porto de Itajaí ainda não se manifestou sobre a operação. No entanto, segundo informações extraoficiais, serão desembarcados na cidade aproximadamente mil automóveis de alto valor agregado. Entre eles o modelo Camaro.

A vinda dessas operações para Santa Catarina vem sendo negociada já há certo tempo pelo Governo do Estado, que trata o tema com certo sigilo. No entanto, sabe-se já que são importações que até então entravam no País pelo porto de Rio Grande e foram transferidas para o SC devido aos incentivos ficais oferecidos. O fato da APM Group, controlador da APM Terminals Itajaí operar carros da GM em outros portos do mundo, também teria pesado na escolha por Itajaí.

O Estado não informou o valor que essas importações devem gerar em impostos após o período de vigência dos incentivos fiscais, mas acredita-se que somente em ICMS os valores arrecadados devem ultrapassar 13 dígitos até 2021.

Pendências

Já está definido que as operações serão realizadas no berço 3 pela APM Terminals, que também vem sondando junto ao mercado imobiliário a possibilidade da locação de áreas para serem utilizadas para armazenagem de veículos próximas ao porto. A definição deve ocorrer ainda nesta semana.

Outras pendências são relacionadas aos acertos com a mão de obra. Já estão definidas as composições das equipes, mas ainda não estão definidos os valores a serem pagos aos trabalhadores. Essa definição deve ocorrer até a quinta-feira.

A atracação do navio que trará os veículos para Itajaí também não consta nos sites do porto e nem da praticagem.

Porto de Itajaí se manifesta

A Superintendência do Porto de Itajaí informa que a primeira atracação deve ocorrer no berço 2 e, as seguintes, aí sim no berço 3, inaugurado em dezembro do ano passado. Isso porque ainda falta a colocação de dois jogos de cabeços no cais, o que deve ocorrer em junho. Com relação a armazenagem, os veículos deverão ficar em área do porto, denominado Recinto Alfandegado Contíguo.

Também há possibilidade de atrasos na escala, uma vez que entre o México e Itajaí, o navio atracou na Argentina.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt