29/08/2014

Ocesc comemora 43 anos


A Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc) completa 43 anos de história, nesta semana, comemorando posição de destaque no cenário nacional.  Estruturado no campo e na cidade, o cooperativismo catarinense continua em ascensão e crescerá 15% neste ano, de acordo com projeções feitas pela entidade. A expressão do setor é reconhecida nacionalmente: as 254 cooperativas do Estado reúnem 1,6 milhão de famílias associadas e mantêm 49.149 empregos diretos, faturam mais de 20 bilhões de reais por ano e representam 11% do PIB catarinense. “Na contextura brasileira, nosso Estado tem a maior taxa relativa de envolvimento populacional direto com o cooperativismo”, realça o presidente Marcos Antonio Zordan.

Segundo Zordan, em 2013, o setor voltou a investir na base produtiva, na diversificação de produtos e serviços e na qualificação de colaboradores, dirigentes e associados. A receita operacional bruta atingiu 20 bilhões e 16 milhões de reais, com incremento de 14,82%. Foi o quinto ano consecutivo de crescimento, após a crise financeira internacional de 2008/2009 que atingiu todos os continentes. Para 2014, a previsão é repetir a taxa de crescimento de 15%.

O quadro social teve uma expansão de 11,67% em relação a 2012, alcançando 1 milhão 623 mil famílias. Consideradas as famílias cooperadas, isso significa que metade da população estadual está vinculada ao cooperativismo. A projeção de aumento do número de cooperados (associados) às cooperativas barrigas-verdes para 2014 é de 17%. Zordan destacou que, em  2013, também cresceu em 14,79% a participação da mulher no quadro social das cooperativas de SC, quando comparados ao ano anterior. Atualmente, 35,75% dos associados são do sexo feminino, índice que, até o fim deste ano, chegará a 40%.

O quadro geral do desempenho das cooperativas revela que, em 2013, o número total de empregados aumentou 14,40%, passando a 49.149 colaboradores. Em 2014 deve ampliar em mais 11%.

Em 2013, as cooperativas catarinenses recolheram 1 bilhão 278 milhões de reais em tributos, sendo 876,6 milhões de reais de geração de impostos sobre a receita bruta e 401,6 milhões de reais de geração de contribuições sobre a folha de pagamento de salários. Isso representa 24% a mais que o ano anterior e deve, ainda, subir 15% em 2014.

As cooperativas dos ramos agropecuário, saúde, crédito, consumo, infraestrutura e transporte registraram o movimento econômico mais expressivo.

As 54 cooperativas agropecuárias representam 65% do movimento econômico de todo o sistema cooperativista catarinense. No conjunto, essas cooperativas mantêm um quadro social de 67.517 cooperados e um quadro funcional de 31.659 empregados. O faturamento anual do ramo agropecuário totalizou 13 bilhões 190 milhões de reais.

O ramo de saúde, com 30 cooperativas e 10.753 associados, faturou 2 bilhões 359 milhões de reais. O ramo de crédito, formado por 67 cooperativas que reúnem 989.763 cooperados (associados), teve movimento de 1 bilhão 980 milhões de reais.

O ramo de transporte, formado por 24 cooperativas teve 1 bilhão 276 milhões de reais de movimento, beneficiando 16.739 cooperados. No ramo de infraestrutura atuam 33 cooperativas de eletrificação rural com 295.339 associados. Em 2013, essas cooperativas faturaram 449,2 milhões de reais.

As 12 sociedades cooperativas que atuam no ramo de consumo com 230.999 associados, faturaram 720,9 milhões de reais no ano passado.

Os ramos de trabalho, produção, habitacional, mineral, especial e educacional, mesmo com menor expressão econômica, são instrumentos para a promoção de renda às pessoas físicas, que organizadas na forma de cooperativas prestam serviços especializados aos mais diversos segmentos da sociedade. São 34 cooperativas formadas por 12.113 cooperados que, em 2013, geraram 39,9 milhões de reais em receitas.

Marcos Zordan também informa que o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP/SC), vinculado a OCESC, investiu, no ano passado, 12,7 milhões de reais para ações de formação profissional que beneficiaram 111.079 pessoas e ações de promoção social que atenderam outras 21.307 pessoas – entre associados, empregados e dirigentes de cooperativas. Os principais programas mantidos pelo SESCOOP/SC foram Cooperjovem, Mulheres Cooperativistas, Ações diretas, Jovemcoop, Jovem Aprendiz, Auxílio Educação, Ações delegadas e Programa de Desenvolvimento da Gestão de Cooperativas (PDGC).       

O primeiro órgão representativo do setor cooperativista no Estado foi a Associação das Cooperativas de Santa Catarina (Ascoop), fundada em 1º de agosto de 1964, em Blumenau. Em 1971, entretanto, o Governo Federal promoveu a estruturação legal-institucional, editando a Lei nº 5.764, de 16/12/71, que definiu a política nacional de cooperativismo e instituiu o regime político das cooperativas. 

Em cumprimento à nova legislação foi constituída a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), órgão de cúpula do sistema na esfera nacional, na capital federal, e fundadas as Organizações de Cooperativas Estaduais (OCE) nas capitais das unidades federativas. Em 28 de agosto de 1971 surgiu a Ocesc para representar efetivamente o sistema cooperativo catarinense e disciplinar a criação e o registro de cooperativas singulares, cooperativas centrais e federações de cooperativas. Quando completou 40 anos, a entidade ganhou uma nova e moderna sede, em Florianópolis. 



Publicidade

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt