04/09/2015

Colegiado catarinense discute estratégias para manter o equilíbrio da economia estadual

Em agosto, arrecadação do ICMS cresceu abaixo da inflação em Santa Catarina

Santa Catarina não sofre os impactos da crise econômica como outros estados do Brasil. Porém, não há como o Estado não ser afetado pela instabilidade financeira que se alavanca no cenário nacional por fatores como a inflação e a alta do dólar. Na quinta-feira (3), o governador Raimundo Colombo e o vice-governador Eduardo Pinho Moreira se reuniram com o colegiado catarinense em Florianópolis para discutir estratégias para manter o equilíbrio da economia estadual nos últimos quatro meses do ano.

Em fevereiro, março, junho e agosto, a arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) registrou crescimento abaixo da inflação no Estado. No início do ano, a greve dos caminhoneiros foi um dos motivos para o crescimento abaixo do esperado. Mas, atualmente, setores que são tradicionais arrecadadores passam por desaceleração na produção e nas vendas, diminuindo a arrecadação.

Durante o encontro, o governador destacou que o governo está fazendo a programação para os quatro últimos meses do ano, tanto financeira quanto de obras, para minimizar os impactos da crise em Santa Catarina. “Para manter o equilíbrio e o Estado continuar com uma presença positiva na sociedade, há necessidade da integração, de responsabilidade fiscal e da execução das obras com rapidez e eficiência, porque é na crise que precisamos ser mais fortes e melhorar a proteção de toda a nossa sociedade”, disse.

Segundo Colombo, é preciso combater o clima de pessimismo e aproveitar o cenário para corrigir o que está errado. “A crise é sempre uma oportunidade para melhorar o seu método de trabalho e seus resultados, exigir mais empenho e melhor desempenho, alcançar as metas”, ressaltou, enfatizando que a oportunidade está presente no governo estadual, que está conseguindo conquistas internas positivas. “Temos condições de rever contratos, de reduzir custos e continuar aumentando nossa presença na economia para gerar empregos”, pontuou.

O secretário de Estado da Fazenda Antonio Gavazzoni, que também esteve no encontro, ressaltou que o governo catarinense continua com as contas equilibradas, mas reconheceu que é preciso estar atento aos desdobramentos da situação econômica nacional. “A economia de Santa Catarina esteve blindada durante muito tempo, mas também estamos sentindo reflexos desse cenário”, revelou. O secretário ainda comentou que os quatro últimos meses do ano são tradicionalmente um período de crescimento na arrecadação, mas as projeções podem ser alteradas diante da instabilidade na economia brasileira.

 




Publicidade

Últimas Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt