quarta, 17 de outubro de 2018
13/01/2016 00:00

Santa Catarina fecha 2015 com queda de 15% nas exportações

Maiores quedas foram registradas por produtos básicos, mas a indústria também reduziu suas vendas

As exportações catarinenses fecharam 2015 em US$ 7,644 bilhões, valor 15% inferior ao registrado em 2014. O resultado de Santa Catarina está alinhado com o desempenho nacional, que foi negativo em 15,1%. Entre os dez principais produtos embarcados no Estado, os maiores recuos foram registrados pela soja (-30,1%), motores e geradores elétricos (-27,6%) e carne suína (-24,7%).

O frango, principal produto exportado pelo Estado, teve recuo de 16,2% na mesma comparação. A única alta foi relatada pelo setor de móveis e madeira, que faturou 0,9% a mais. Os dados foram divulgados pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc).

Com o resultado do ano passado, as vendas externas do Estado voltaram ao nível de 2010, quando o faturamento foi de US$ 7,582 bilhões. "A principal explicação para a queda no valor das exportações catarinenses em 2015 é a redução dos preços no mercado internacional de itens relevantes em nossa pauta, como a carne e a soja", explica o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte.

De acordo com Glauco, as maiores quedas foram registradas em produtos básicos, mas a indústria diminuiu as vendas, refletindo os problemas de competitividade do setor. “A desvalorização da moeda brasileira em 2015 passa a compensar um pouco essa questão, mas os reflexos na balança comercial só serão sentidos mais para frente, pois o fechamento de negócios no mercado internacional leva bastante tempo", acrescenta.

As importações catarinenses em 2015 caíram mais do que os embarques (21,3%) na comparação com o ano anterior, para US$ 12,613 bilhões. A queda foi ligeiramente inferior à registrada no país, de 25,2%. As maiores reduções foram registradas pelo cobre (-41,9%), veículos e autopeças (-31,5%) e ferro e aço (-26,6%). Desta forma, após dois anos de alta, o déficit da balança comercial recuou no ano passado, para US$ 4,969 bilhões. O número é 29,3% menor que os US$ 7,031 bilhões de déficit acumulados em 2014.

Em 2015, a indústria de carnes de Santa Catarina enfrentou aumento nos custos de produção, greve de fiscais sanitários e redução no poder de compra das famílias, mas a desvalorização cambial proporcionou aumento das receitas em reais. No comércio exterior, o segmento sofreu com o fraco desempenho do mercado no Japão, Rússia e Europa. A abertura de novos mercados continua, mas ainda é alta a dependência do segmento para os principais clientes (Japão e Rússia representam mais de um quarto do total).

A redução no faturamento com soja foi determinada pela menor importação da China (principal destino do produto) e pela queda de preços internacionais. As receitas com a China diminuíram 29,4%, enquanto a quantidade vendida recuou 6%.

Estados Unidos lideram compras

A China, que havia chegado ao fim de 2014 ameaçando a liderança dos Estados Unidos como principal comprador dos produtos embarcados em Santa Catarina, reduziu suas encomendas em 23,1%, para US$ 753 milhões, e se afastou do primeiro lugar.

Como os Estados Unidos reduziram menos suas compras de produtos catarinenses (9,2%), para US$ 1,049 bilhão, consolidaram-se como principal destino dos embarques do Estado. Com alta de 5,1% nos pedidos, para US$ 458 milhões, a Argentina assumiu a terceira posição no ranking. O país vizinho ultrapassou o Japão, que reduziu as encomendas em 31%, para US$ 365 milhões.

Perspectivas

As perspectivas para as vendas de carnes em 2016 são prejudicadas pelo menor crescimento dos mercados asiático e latino-americano, acompanhado pelo baixo dinamismo dos europeus. Os segmentos de máquinas e equipamentos, madeira, móveis e produtos cerâmicos devem ser favorecidos pela retomada do crescimento dos Estados Unidos, avalia Côrte.




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt