quarta, 10 de agosto de 2022
17/11/2021

Wilson Sons é a empresa que mais movimenta cargas em contêineres por via fluvial no Brasil


Ao completar cinco anos neste mês, a operação da Wilson Sons no Tecon Santa Clara é a que mais movimenta contêineres no Brasil, de acordo com o anuário da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Nesse período, o terminal fluvial localizado na cidade de Triunfo (RS) apresentou média de crescimento de 27% por ano e transportou 196.539 TEU (unidade correspondente a um contêiner de 20 pés) em 1.756 viagens.

 

A alta movimentação do terminal fluvial da Wilson Sons, que opera integrado ao Tecon Rio Grande, rendeu à Companhia o Prêmio Portos + Brasil 2021. A iniciativa do Ministério da Infraestrutura contemplou as melhores práticas adotadas pelos portos organizados do país.

 

"O Tecon Santa Clara vem demonstrando sua eficiência e, cada vez mais, ganha a atenção das grandes indústrias no Rio Grande do Sul. Esses resultados mostram o quanto a navegação interior é importante para a economia gaúcha”, ressalta o diretor-presidente do Tecon Rio Grande, Paulo Bertinetti.

 

Empresas da região enxergam no modal uma série de benefícios como a otimização de custos logísticos e menor risco de acidentes e avarias para as cargas. É o caso da Tramontina, cliente do Tecon Santa Clara desde o primeiro mês de operação em outubro de 2016: “O Tecon Santa Clara tem sido um parceiro estratégico para os negócios da Tramontina, tanto nas exportações quanto nas importações. Por estar logisticamente próximo à fábrica, temos um atendimento mais previsível e personalizado, além de contarmos com um ponto de apoio para coleta e entrega de contêineres, o que é um diferencial”, destaca Sônia Deitos, diretora Administrativa Financeira da Tramontina.”

 

Com a ampliação dos princípios de ESG (sigla em inglês para boas práticas ambientais, sociais e de governança), a navegação interior também tem sido um importante aliado para as empresas no desenvolvimento de projetos logísticos mais verdes. Estudo realizado pela Wilson Sons mostrou que o transporte de contêineres via Tecon Santa Clara pode reduzir em mais de 70% a emissão de gases do efeito estufa se comparada com o transporte rodoviário. Sônia Deitos comenta que outro fator que avalia positivamente “é o resultado da combinação do modal fluvial com o rodoviário, que gera menor volume de poluentes e também proporciona maior equilíbrio da matriz de transportes.”

 

Resinas, madeira, produtos químicos, frango congelado, borrachas e utensílios domésticos representam 80% das mercadorias que passam pelo Tecon Santa Clara. Os produtos – de importação, exportação e cabotagem – têm como origem ou destino as cidades de Farroupilha, Carlos Barbosa, Garibaldi, Caxias do Sul, Veranópolis, Cruz Alta, Lajeado, Taquari e Serafina Corrêa. Entre os serviços disponibilizados pelo terminal, está a possibilidade de estufar e desovar produtos nos contêineres.

 

O Tecon Santa Clara iniciou suas operações com uma barcaça, em outubro de 2016, quando a parceria entre Wilson Sons e Braskem reativou o Píer IV do terminal e retomou o transporte de carga pelo Rio Jacuí entre Triunfo e o Porto do Rio Grande. Dois anos depois, a Wilson Sons ampliou sua capacidade com a disponibilização de mais uma barcaça, passando a oferecer quatro viagens semanais.

 

Sobre a Wilson Sons

A Wilson Sons é o maior operador integrado de logística portuária e marítima do mercado brasileiro e oferece soluções da cadeia de suprimento, com mais de 180 anos de experiência. A Companhia presta uma gama completa de serviços para as empresas que atuam na indústria de óleo e gás, no comércio internacional e na economia doméstica. Com presença nacional, atua de forma inovadora, acompanhando as tendências do mercado.



Blog

Países do ‘BRICS’ debatem como alavancar qualificação para indústria 4.0

A qualificação de profissionais para ocupações cada vez mais tecnológicas é foco dos trabalhos de um grupo de especialistas do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, o chamado BRICS. A participação brasileira é liderada pela Confederação Nacional da Indústria, por meio do SENAI, a partir de indicação dos ministérios da Casa Civil e da Educação. O objetivo é criar estratégias para promover a capacitação padronizada entre os países.

“Somos reconhecidos por aliar a teoria e a prática. As discussões que estão em curso no grupo formado pelos países do BRICS vêm sendo amplamente abordadas em nossas formações. Não é uma agenda apenas de entidades privadas, ela exige políticas públicas mais robustas, com respaldo técnico e competência para guiar os debates”, destaca o diretor-regional do SENAI, Fabrizio Machado Pereira.

São oito grupos de trabalho, sendo um deles voltado para as áreas de inteligência artificial, machine learning e big data, coordenado pelo professor Valério Junior Piana, do Centro Universitário do SENAI em Chapecó. “Os grupos debatem temas como a falta de profissionais qualificados para atuar com as tecnologias da indústria 4.0 e as habilidades fundamentais para o futuro do trabalho, não apenas na indústria, mas também em outras áreas”, afirma Piana. “Estamos focando nas ocupações mais tecnológicas e o que fazer diante da falta de profissionais”, acrescenta.

Piana, que no SENAI coordena os cursos de graduação e pós-graduação em TI, cita, principalmente, a falta de profissionais qualificados na área de tecnologia para atuar com programação, automação e outros setores. O grupo de trabalho do BRICS atua com base no relatório do Fórum Econômico Mundial, que elenca habilidades que as pessoas precisam ter ou desenvolver, como criatividade, solução de problemas complexos, trabalho em equipe, entre outras, incluindo as habilidades e conhecimentos técnicos.

O grupo está elaborando uma proposta de esforço conjunto dos países para capacitar a força de trabalho. “Algumas alternativas que estamos sugerindo são a implementação de laboratórios-modelo, equipados para desenvolver as capacidades necessárias para o mundo do trabalho, e cursos de graduação e pós-graduação com currículos padronizados entre os países”, relata Piana.

O SENAI é referência mundial em qualidade de ensino. Capacita os trabalhadores da indústria por meio de educação profissional e superior, consultorias especializadas e serviços de inovação voltados ao desenvolvimento e à competitividade industrial. A instituição está presente em todos os estados brasileiros.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt