sexta, 18 de junho de 2021
20/04/2021 16:19

Mercosul é fundamental para nossa indústria, diz embaixador

Em live promovida pela FIESC para debater os 30 anos do Mercosul, Michel Arslanian disse que para alguns produtos, o bloco continua como principal destino das exportações, como o setor automotivo, a cadeia química e os têxteis.

“O Mercosul é fundamental para a nossa indústria. Para alguns produtos, o bloco continua como principal destino das nossas exportações, como o setor automotivo, a cadeia química e os têxteis”, disse o embaixador Michel Arslanian, em live promovida pela Federação das Indústrias (FIESC), nesta terça-feira, dia 20. O evento virtual, que debateu os 30 anos do Mercosul, foi dedicado ao diretor da CNI, Carlos Abijaodi, que faleceu nesta segunda-feira, dia 19. Ele era um profissional reconhecido por sua atuação no comércio exterior e nas negociações internacionais pelo setor privado.

TELEGRAM: Entre no canal exclusivo sobre comércio exterior de SC
📲 Clique no link 👉 http://t.me/comexfiesc

O Tratado de Assunção, que instituiu o Mercosul, foi assinado em 26 de março de 1991, em Assunção, no Paraguai. O bloco é formado por Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai e outros países associados. O Mercosul já teve uma participação maior nas exportações brasileiras, algo em torno de 10% em 2010. Hoje está na casa dos 6%, mas ainda assim, é uma participação relevante, explicou o embaixador, que é diretor do departamento de Mercosul e integração regional no Ministério das Relações Exteriores. “E num contexto em que se fala de desindustrialização, sem dúvida, no Brasil estaríamos numa situação pior sem o Mercosul. Para as nossas empresas, é também o primeiro locus de internacionalização”, disse, salientando que o bloco tem um peso no comércio de manufaturados, que gera mais empregos e divisas. 

O subsecretário de negociações internacionais do Ministério da Economia, Alexandre Lobo, abordou o acordo Mercosul-União Europeia e informou que as negociações estão praticamente concluídas. “Estamos numa fase conclusiva em termos técnicos, mas, obviamente, há ainda a questão ambiental que vem sendo discutida amplamente no continente europeu. Nossa expectativa é que isso possa ser resolvido o quanto antes para que o acordo possa entrar em vigor no Brasil, no Mercosul e na União Europeia. É um acordo que congrega mais de 25% do PIB mundial. Estamos falando de mais de 780 milhões de pessoas na União Europeia. Isso muda o jogo da inserção brasileira no mundo”, declarou. 

O gerente de políticas de integração internacional da CNI, Fabrizio Pazini, disse que o Mercosul é o primeiro ou o segundo destino das exportações para sete estados do Brasil (Amazonas, Ceará, Pernambuco, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul). Na visão dele, o bloco precisa criar metas comuns para estimular a retomada do crescimento econômico. Ele apresentou dados que mostram que o Mercosul vem crescendo abaixo da média mundial e dos emergentes. No período de 2011 a 2020, o crescimento médio do bloco foi de 1% enquanto os emergentes cresceram 4% e a média mundial foi de 2,7%. “O fato de termos economias instáveis no Mercosul prejudica nosso crescimento e nosso comércio”, salientou.
 
A presidente da Câmara de Comércio Exterior da FIESC, Maria Teresa Bustamante, que mediou o encontro, destacou a experiência dos participantes nas mesas de negociação, especialmente no âmbito do Mercosul. Ela reforçou a importância da integração regional, não somente em benefício do comércio, mas também das pessoas e da responsabilidade que todos têm que ter com o crescimento das economias e da sociedade. Maria Teresa observou que a pandemia afetou todos os países, mas a economia continua. “É o comércio global quem vai dar efetivamente respostas positiv




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt