segunda, 06 de dezembro de 2021
07/10/2021 09:00

Governo Federal aposta na iniciativa privada para recuperar a competitividade do setor ferroviário nacional

As renovações antecipadas de prorrogações das atuais concessões do setor, o novo programa de autorizações ferroviárias e o plano de investimentos cruzados são os três pilares que norteiam essa estratégia

A necessidade de uma nova política para o setor metroferroviário do país e de alternativas de transporte mais sustentáveis também foram destaques do primeiro bloco de conteúdos da NT Expo Xperience 2021
 


Nesta terça-feira (5) teve início o principal encontro do setor metroferroviário da América Latina, realizado integralmente na plataforma NT Expo. Trata-se do NT Expo Xperience 2021, que tem como objetivo principal promover o debate sobre o atual cenário e o futuro deste mercado no país.

O setor metroferroviário experimenta um dos mais promissores momentos da história no território nacional. Foi o que confirmou o diretor do departamento de transporte ferroviário do Ministério da Infraestrutura, Ismael Trinks, durante a abertura do evento virtual, às 10 horas desta terça-feira. "Estamos vivenciando uma revolução no setor, algo nunca visto antes no país, o que é indiscutivelmente importante para fazer a roda da economia voltar a girar no Brasil. Essa, na verdade, é a maior vitória deste governo e de todos os outros, quando avaliado o setor ferroviário nacional".

Isso porque, segundo Trinks, o atual governo encontrou alternativas para desviar dos obstáculos impostos por um orçamento público que só obteve decréscimos nos últimos anos - resultando em um baixo volume de investimentos e em uma rede de transportes ferroviários menos extensa. "Se avaliarmos o histórico de investimentos em infraestrutura como um todo no Brasil, vemos que na década de 80 e 90 os aportes chegavam a 2% do PIB do país. No entanto, com o passar dos anos, este percentual começou a cair de forma abrupta. Em 2020, por exemplo, chegava a apenas 0,5% do PIB. Quando comparado a outros países de dimensões continentais, como China e Estados Unidos, logo percebemos que estamos muito aquém do necessário" afirmou.

De acordo com Trinks, o mesmo ocorre quando se analisa a matriz de transportes brasileira e se nota que o país ainda é muito dependente do modal rodoviário. "A infraestrutura nacional não acompanhou a evolução dos setores logístico e de transporte e não considerou modais mais eficientes. Em todos os outros países, essa relação é mais bem distribuída e é isso que estamos buscando, equilibrar a matriz de transportes brasileira, até porque há muitas oportunidades de investimentos no mercado".

Para isso, diz ele, o governo federal está avaliando alternativas para levantar os aportes necessários ao setor metroferroviário brasileiro e o melhor caminho encontrado no momento é por meio da iniciativa privada. "Neste sentido, atuamos em três pilares: um deles é através das prorrogações antecipadas das concessões ferroviárias, com o intuito de antecipar os investimentos no setor sem precisar esperar mais cinco anos para o fim dos contratos - algo que já fizemos com a Ferrovia Malha Paulista, da Rumo, e com as duas concessões da Vale, das Estradas de Ferro Carajás e Vitória-Minas. Seguimos o mesmo caminho com as ferrovias da MRS e da VLI Logística e encaminharemos os respectivos pedidos de renovação de ambas ao TCU até dezembro deste ano", acrescentou.

Outro pilar de atração de recursos privados é a implantação do modelo de investimentos cruzados, no qual trechos de ferrovias serão construídos pela iniciativa privada, sem custos ao governo. "Temos dois projetos de captação avançados neste sentido: um deles é para o segundo trecho da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (FIOL 2) e o outro para o primeiro trecho da Ferrovia de Integração do Centro-Oeste (FICO 1)", salientou.

O terceiro e último pilar é o da permissão para a construção de novas ferrovias via autorizações ferroviárias, de maneira mais célere e simplificada, sem a necessidade da realização de leilões de concessões. "Tivemos uma grata surpresa com essa medida, pois recebemos 14 requerimentos para a construção de novas ferrovias ao redor do Brasil em apenas um mês (a iniciativa foi lançada no início de setembro). Com isso, elevamos a expectativa de investimentos privados ao setor para R$ 82 bilhões e de aumento da malha ferroviária em 5.435 km. Sem contar outros cinco requerimentos que recebemos mais recentemente, que já estão em análise e, se aprovados, podem levar os aportes ao total de R$ 100 bilhões e a extensão das novas ferrovias a quase 6 mil km", concluiu.

Nova Política para o Setor Metroferroviário - Quem também participou do primeiro bloco de conteúdos do NT Expo Xperience 2021 foi o vice-presidente do SIMEFRE (Sindicato Interestadual da Indústria de Materiais e Equipamentos Ferroviários e Rodoviários), Mássimo Bianchi, que abordou o tema "Nova Política para o Setor Metroferroviário".

Segundo ele, em uma iniciativa conjunta, o SIMEFRE e a ABIFER (Associação Brasileira da Indústria Ferroviária) estão relançando o Programa Brasil Trem Jeito, que tem como objetivos principais contribuir para um melhor desenvolvime

nto do setor no país e para solucionar alguns gargalos deste mercado, como a questão da produção local. "Precisamos ser competitivos, estimular a produção e indústria nacional do setor, realizar a padronização das frotas de vagões e trens, oferecer manutenção adequada em solo nacional e etc. Por exemplo, os trens do Metrô do Rio de Janeiro e da SuperVia estão sendo sucateados, porque a indústria estrangeira que é responsável por eles não têm interesse em realizar suas manutenções. Se fossem da indústria local, já estaria resolvido".

Outro ponto que Bianchi pediu atenção é o que envolve o lado econômico. "Precisamos ter novas ideias neste sentido, como créditos de carbono, mecanismos para permitir a atratividade de investidores, ferramentas que deem flexibilidade aos aportes. Além de um fundo garantidor, que dê segurança jurídica, estruturação financeira e tudo o mais que permita agregar maior atratividade e competitividade ao setor".

O vice-presidente do SIMEFRE finalizou destacando a necessidade também da criação de instituições que regulem e façam a gestão destes investimentos de forma centralizada e organizada. "Precisamos de uma agência nacional de investimentos, que faça o controle de toda a parte econômica do setor, algo que não temos e que é de extrema importância. É a mesma questão quando falamos de grandes cidades: em São Paulo, por exemplo, há a CPTM, o Metrô, a EMTU e por aí vai, mas não há uma entidade reguladora e gestora de tudo isso. Precisamos ter autoridades metropolitanas únicas para o setor de transportes", completou.

Mobilidade Elétrica Sustentável - Considerada um dos pilares de cidades inclusivas, sustentáveis e inteligentes - e um dos pontos principais quando o assunto são alternativas de transporte mais sustentáveis - a mobilidade elétrica vem ganhando cada vez mais força no país. Segundo a Associação Brasileira do Veículo Elétrico (ABVE), as vendas de veículos elétricos cresceram 221% no primeiro semestre de 2020 e a frota total do país destes modelos já soma 20 mil unidades entre híbridos e elétricos. A partir de 2030, a perspectiva é a comercialização de 200 mil carros nesses padrões por ano.

Mas somente isso não é o suficiente, disse o CEO da AEROM Sistemas de Transportes S.A., Marcus Coester. "É claro que transformar os carros em veículos elétricos ajuda, em especial o meio ambiente, que recebe menos emissões de poluentes, mas só isso não é o suficiente. Se não tivermos outras alternativas de transporte e focarmos apenas na conversão dos veículos tradicionais para modelos elétricos, teremos o que chamamos de ‘engarrafamento verde’".

Para ele, é necessário pensar em outras opções de transporte sustentáveis, como o aeromóvel, que oferece uma série de benefícios. "Essa tecnologia traz um novo conceito de transporte ao mercado e é uma solução totalmente ‘verde’: elétrico, com zero emissões de poluentes e com alta eficiência energética. Além disso, diferente de outros modelos de transporte convencionais, o sistema do aeromóvel se adapta à infraestrutura da cidade, já que é elevado, não sendo necessária a desapropriação de terrenos, por exemplo. Sem contar que é um sistema de média capacidade, que pode transportar até 24 mil passageiros por viagem (semelhante aos VLT’s, aos Monotrilhos e aos People Movers)", finalizou.

Para saber mais, acesse - https://www.ntexpo.com.br/pt/home.html

Serviço - NT Expo Xperience 2021:
Quando: 5 a 7 de outubro.
Horário: Das 10 às 18 horas.
Inscrições: https://negociosnostrilhosexpo.e-event.com.br/


Credenciamento de Imprensa
Caros jornalistas, o credenciamento de imprensa para a cobertura da NT Expo Xperience 2021 segue disponível. Para garantir a sua credencial ou a de qualquer profissional interessado de seu veículo, acesse - https://negociosnostrilhosexpo.e-event.com.br/imprensa


Sobre a NT Expo Xperience 2021
Com o objetivo de promover o debate sobre o atual cenário e o futuro do setor ferroviário no Brasil, proporcionar o networking e a geração de negócios às empresas e profissionais do ramo, e fomentar o desenvolvimento de novas tecnologias e tendências para este segmento, a NT Expo promove a segunda edição virtual do principal ponto de encontro da América Latina para este mercado: a NT Expo Xperience 2021. Agendado para ocorrer nesta semana, de 5 a 7 de outubro, em formato 100% digital e totalmente gratuito, o evento, este ano, traz uma rica agenda de atrações e conteúdos exclusivos que levarão aos participantes discussões sobre os desafios de uma transformação acelerada, pela qual passa o setor, que vive, entretanto, um dos mais promissores momentos de sua história recente.


Sobre a NT Expo - https://www.ntexpo.com.br/pt/home.html
Muito mais do que um evento, uma plataforma de negócios completa para o setor ferroviário, gerando oportunidades, relacionamentos e entregando conteúdos de qualidade em todos os ambientes - digital e físico, simultaneamente. Disponível 365 dias por ano, a NT oferece uma base de dados qualificada, com centenas de contatos de profissionais do setor, e diversos canais, como a própria NT Expo Xperience, além de website, redes sociais e uma gama exclusiva de soluções, com as quais consegue promover marcas, lançar produtos, gerar leads e realizar ações personalizadas para obtenção de um melhor retorno dos investimentos, com mais foco e assertividade.


Sobre a Informa Markets 
A Informa Markets cria plataformas para indústrias e mercados especializados em fazer negócios, inovar e crescer. Seu portfólio global é composto por mais de 550 eventos e marcas internacionais, sendo mais de 30 no Brasil, em mercados como Saúde e Nutrição, Infraestrutura, Construção, Alimentos e Bebidas, Agronegócio, Tecnologia e Telecom, Metal Mecânico, entre outros. Oferecendo aos clientes e parceiros em todo o mundo oportunidades de networking, de viver experiências e de fazer negócios por meio de feiras e eventos híbridos, conteúdo digital especializado e soluções de inteligência de mercado, construindo uma jornada de relacionamento e negócios entre empresas e mercados 365 dias por ano. Para mais informações, visite www.informamarkets.com.br ou entre em contato através do e-mail institucional@informa.com


Coletivo da Comunicação - Assessoria de Imprensa da NT Expo

Michel Penna
michel@coletivodacomunicacao.com.br
(13) 99201-9564

Valeria Bursztein
valeria@coletivodacomunicacao.com.br
(11) 99104-2031



 




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt