quarta, 29 de junho de 2022
29/09/2008 00:00

Incorporado, Besc vai virar história


Na semana em que será definida a incorporação do Banco do Estado de Santa Catarina (Besc) pelo Banco do Brasil, incertezas ainda marcam o futuro da instituição catarinense. Mas se depender de iniciativas de um grupo de funcionários de Florianópolis, o passado do Besc, pelo menos, está salvo. Será inaugurado, hoje, na agência sede da Capital, na Rua Tenente Silveira, um museu que tem como meta preservar a trajetória de mais de 40 anos de mercado. Inicialmente, o acervo estará disponível apenas para funcionários do banco. Mas a idéia é transferir o museu para a agência da Praça XV, abrindo o espaço para a visitação da comunidade. A proposta dependerá de aprovação do BB. Este não é o primeiro museu do Besc. Uma experiência já havia sido realizada quando o banco ocupava o prédio do atual centro administrativo do governo. Com a mudança, o espaço foi extinto há quatro anos. Reativado por três funcionários, o acervo foi atualizado ao longo do último ano. Marlete Barbosa, assessora parlamentar da presidência; Luciana Geroleti, gerente administrativa de negócios; e Michely Nascimento, superintendente de desenvolvimento de recursos humanos, estiveram à frente do trabalho. - Temos muitos funcionários novos e a idéia é mostrar para eles como o Besc foi importante para a história e para o desenvolvimento de SC - explica Marlete. Lula doará caneta usada no processo Para a cerimônia de hoje, é aguardado um importante item para o acervo: uma caneta usada pelo presidente Lula no processo que evitaria a privatização do Besc. Outra peça de destaque já foi instalada no espaço principal da agência, funcionando como um aperitivo para estimular o interesse em conhecer o museu. Trata-se de uma máquina de registro contábil, usada na década de 1960. Entre o material já recuperado, estão a ata de fundação do banco, modelos de talões de cheques, cartões eletrônicos, brindes e uma galeria de fotos. No acervo fotográfico, chama atenção o registro da inauguração do posto de Santa Terezinha do Progresso, no Extremo-Oeste. Inaugurado em junho de 2006, o posto garantiu ao Besc o título de único banco com presença em todos os 293 municípios de Santa Catarina. Mas, apesar do acervo amplo, ainda faltam algumas peças. Marlete lembra, por exemplo, que no museu anterior havia um cofre de plástico em formato de porco que era distribuído como brinde aos clientes. A peça se perdeu. E agora as curadoras do museu procuram quem possa ter guardado um exemplar em casa. A idéia é que a comunidade participe com doações de peças curiosas para o acervo. Fonte: Diário Catarinense Foto: Divulgação



Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt