segunda, 21 de agosto de 2017
18/08/2017

MTPAC dá continuidade ao projeto de expansão da área do Porto Organizado de Itajaí


A Superintendência do Porto de Itajaí divulgou ontem informações oficiais sobre a possibilidade dos escombros do navios Palas naufragado em 1893, durante a Revolta da Armada, estarem submersos na barra de acesso ao Complexo Portuário do Itajaí. No documento encaminhado pela Assessoria de Comunicação o órgão admite que os escombros foram atingidos por uma draga que auxilia nas obras. Vale salientar que a draga mencionada não é a draga chinesa Xin Hai Niu, que executa os trabalhos para o restabelecimento da profundidade de 14 metros dos acessos aquaviários, e sim uma draga de recalque de menor porte.

Após a divulgação das informações oficiais do Porto de Itajaí, o Blog da Redação recebeu nesta manhã a imagem dos garfos da referida draga com os dentes totalmente substituídos, após ter sido danificada ao investir contra os escombros. Inclusive, os pedaços do suposto naufrágio teriam sido retirados dos garfos desta draga.

Entretanto, pelo encaminhamento que o caso está tendo, o mistério tende a ser elucidado rapidamente.

Ficou acertado para o início da próxima semana uma reunião entre representantes da Secretaria de Estado da Infraestrutura, Construtora Triunfo, Superintendência do Porto de Itajaí e Prosul, para que seja definido o cronograma para os trabalhos de averiguação. A missão não será tão simples. Primeiro, é preciso fazer a sucção do material que está disperso na água, que prejudica a visibilidade. Depois, aguardar a redução da turbidez da água para que mergulhadores possam fazer o reconhecimento.

 

 

MTPAC dá continuidade ao projeto de expansão da área do Porto Organizado de Itajaí

 

Com a publicação da portaria número 716, no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 18, o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPAC) dá continuidade ao processo para expansão da área do Porto Organizado de Itajaí. Por meio da Portaria o ministro Maurício Quintella anunciou a convocação de consulta pública para o projeto de adaptação da área do Porto Organizado de Itajaí e agendou a audiência pública para o dia 17 de outubro, em Itajaí.

Além do agendamento do audiência pública, a portaria ainda define os prazos para: apresentação de contribuições - 1º a 30 de setembro -, sistematização das contribuições - 31 de outubro a 29 de novembro -, divulgação das respostas às contribuições - 30 de novembro -, interposição de recurso contra o exame das contribuições - 1º a 10 de dezembro - e o prazo para avaliação e encaminhamento da resposta aos recursos - 11 de dezembro a 09 de janeiro de 2018 - que pode ser prorrogado por 30 dias.

Processo teve início com a revisão do PDZ

O processo de expansão da área do Porto Organizado já teve início em Itajaí com a revisão do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do Porto de Itajaí, adequando-o ao Plano Nacional de Logística Portuária (PNLP), que é um estudo macro que engloba ainda a interligação do modal marítimo com os demais modais, e ao Plano Geral de Outorgas, do Governo Federal.

Na sequência o Município publicou um decreto na primeira semana de agosto, declarando de relevante interesse público, para fins de expansão portuária, os imóveis contidos na poligonal delimitada pelas vias Avenida Cel. Eugênio Müller, Av. Marcos Konder, Rua Silva, Rua Tijucas, Rua Olegário de Souza Júnior e seu prolongamento, Av. Irineu Bornhausen, Rua Max e Rua Blumenau.

Na prática, o documento formaliza a proposta de ampliação que já consta no PDZ desde 2004.

Na vigência do decreto estão suspensas a concessão de consultas prévias, alvarás construtivos, licenças e permissões de ordem urbanística relacionadas aos imóveis localizados na referida área.

O decreto municipal estabelece ainda o prazo de 180 dias - contados da publicação, em 04 de agosto de 2017 - para a conclusão dos trabalhos e estudos necessários às implementações das desapropriações, podendo, inclusive, ser prorrogado por igual período. Além da desapropriação dos imóveis compreendidos nessa poligonal, o decreto prevê ainda a incorporação de parte das ruas e avenidas Tijucas, Blumenau, Irineu Bornhausen, Benjamin Franklin Pereira e Pedro Antônio Fayal, e da Rua Cel. Eugênio Muller e da Travessa Bela Cruz à área de expansão do Porto de Itajaí.

O superintendente do Porto de Itajaí, Marcelo Werner Salles, explica que tais procedimentos são impostos pela Lei 12.815, de 2013, que dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários.

 



Blog

MTPAC dá continuidade ao projeto de expansão da área do Porto Organizado de Itajaí

A Superintendência do Porto de Itajaí divulgou ontem informações oficiais sobre a possibilidade dos escombros do navios Palas naufragado em 1893, durante a Revolta da Armada, estarem submersos na barra de acesso ao Complexo Portuário do Itajaí. No documento encaminhado pela Assessoria de Comunicação o órgão admite que os escombros foram atingidos por uma draga que auxilia nas obras. Vale salientar que a draga mencionada não é a draga chinesa Xin Hai Niu, que executa os trabalhos para o restabelecimento da profundidade de 14 metros dos acessos aquaviários, e sim uma draga de recalque de menor porte.

Após a divulgação das informações oficiais do Porto de Itajaí, o Blog da Redação recebeu nesta manhã a imagem dos garfos da referida draga com os dentes totalmente substituídos, após ter sido danificada ao investir contra os escombros. Inclusive, os pedaços do suposto naufrágio teriam sido retirados dos garfos desta draga.

Entretanto, pelo encaminhamento que o caso está tendo, o mistério tende a ser elucidado rapidamente.

Ficou acertado para o início da próxima semana uma reunião entre representantes da Secretaria de Estado da Infraestrutura, Construtora Triunfo, Superintendência do Porto de Itajaí e Prosul, para que seja definido o cronograma para os trabalhos de averiguação. A missão não será tão simples. Primeiro, é preciso fazer a sucção do material que está disperso na água, que prejudica a visibilidade. Depois, aguardar a redução da turbidez da água para que mergulhadores possam fazer o reconhecimento.

 

 

MTPAC dá continuidade ao projeto de expansão da área do Porto Organizado de Itajaí

 

Com a publicação da portaria número 716, no Diário Oficial da União desta sexta-feira, 18, o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPAC) dá continuidade ao processo para expansão da área do Porto Organizado de Itajaí. Por meio da Portaria o ministro Maurício Quintella anunciou a convocação de consulta pública para o projeto de adaptação da área do Porto Organizado de Itajaí e agendou a audiência pública para o dia 17 de outubro, em Itajaí.

Além do agendamento do audiência pública, a portaria ainda define os prazos para: apresentação de contribuições - 1º a 30 de setembro -, sistematização das contribuições - 31 de outubro a 29 de novembro -, divulgação das respostas às contribuições - 30 de novembro -, interposição de recurso contra o exame das contribuições - 1º a 10 de dezembro - e o prazo para avaliação e encaminhamento da resposta aos recursos - 11 de dezembro a 09 de janeiro de 2018 - que pode ser prorrogado por 30 dias.

Processo teve início com a revisão do PDZ

O processo de expansão da área do Porto Organizado já teve início em Itajaí com a revisão do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do Porto de Itajaí, adequando-o ao Plano Nacional de Logística Portuária (PNLP), que é um estudo macro que engloba ainda a interligação do modal marítimo com os demais modais, e ao Plano Geral de Outorgas, do Governo Federal.

Na sequência o Município publicou um decreto na primeira semana de agosto, declarando de relevante interesse público, para fins de expansão portuária, os imóveis contidos na poligonal delimitada pelas vias Avenida Cel. Eugênio Müller, Av. Marcos Konder, Rua Silva, Rua Tijucas, Rua Olegário de Souza Júnior e seu prolongamento, Av. Irineu Bornhausen, Rua Max e Rua Blumenau.

Na prática, o documento formaliza a proposta de ampliação que já consta no PDZ desde 2004.

Na vigência do decreto estão suspensas a concessão de consultas prévias, alvarás construtivos, licenças e permissões de ordem urbanística relacionadas aos imóveis localizados na referida área.

O decreto municipal estabelece ainda o prazo de 180 dias - contados da publicação, em 04 de agosto de 2017 - para a conclusão dos trabalhos e estudos necessários às implementações das desapropriações, podendo, inclusive, ser prorrogado por igual período. Além da desapropriação dos imóveis compreendidos nessa poligonal, o decreto prevê ainda a incorporação de parte das ruas e avenidas Tijucas, Blumenau, Irineu Bornhausen, Benjamin Franklin Pereira e Pedro Antônio Fayal, e da Rua Cel. Eugênio Muller e da Travessa Bela Cruz à área de expansão do Porto de Itajaí.

O superintendente do Porto de Itajaí, Marcelo Werner Salles, explica que tais procedimentos são impostos pela Lei 12.815, de 2013, que dispõe sobre a exploração direta e indireta pela União de portos e instalações portuárias e sobre as atividades desempenhadas pelos operadores portuários.

 

Aumentam as evidências de que os escombros do suposto navio palas tenham sido atingido por uma draga

A Superintendência do Porto de Itajaí divulgou ontem informações oficiais sobre a possibilidade dos escombros do navios Palas naufragado em 1893, durante a Revolta da Armada, estarem submersos na barra de acesso ao Complexo Portuário do Itajaí. No documento encaminhado pela Assessoria de Comunicação o órgão admite que os escombros foram atingidos por uma draga que auxilia nas obras. Vale salientar que a draga mencionada não é a draga chinesa Xin Hai Niu, que executa os trabalhos para o restabelecimento da profundidade de 14 metros dos acessos aquaviários, e sim uma draga de recalque de menor porte.

Após a divulgação das informações oficiais do Porto de Itajaí, o Blog da Redação recebeu nesta manhã a imagem dos garfos da referida draga com os dentes totalmente substituídos, após ter sido danificada ao investir contra os escombros. Inclusive, os pedaços do suposto naufrágio teriam sido retirados dos garfos desta draga.

Entretanto, pelo encaminhamento que o caso está tendo, o mistério tende a ser elucidado rapidamente.

Ficou acertado para o início da próxima semana uma reunião entre representantes da Secretaria de Estado da Infraestrutura, Construtora Triunfo, Superintendência do Porto de Itajaí e Prosul, para que seja definido o cronograma para os trabalhos de averiguação. A missão não será tão simples. Primeiro, é preciso fazer a sucção do material que está disperso na água, que prejudica a visibilidade. Depois, aguardar a redução da turbidez da água para que mergulhadores possam fazer o reconhecimento.

 

Escombros do navio Palas estariam próximos ao molhe de Navegantes

O pesquisador e consultor Haroldo Becker Filho, que trabalhou no canteiro de obras da Triunfo no molhe de Navegantes, garantiu que os escombros do navio Palas, naufragado há 124 anos na barrado Porto de Itajaí, estão a poucos metros do molhe de Navegantes, conforme imagem.

Becker teve conhecimento do naufrágio inicialmente em 1998. Começou as pesquisas no ano de 2008 e no início deste ano fez mergulhos para reconhecimento da área, ocasião em que diz ter constatado ser a embarcação utilizada na Revolta da Armada. Suas suspeitas foram confirmadas após os resultados de análises que encomendou a especialistas do Museu Nacional do Rio de Janeiro.

A Secretaria de Estado da Infraestrutura (SEI), responsável pela execução da obra, já tomou providências no sentido de, se confirmado se tratar do navio Palas, preservar os escombros. Determinou que a área onde foram encontrados os escombros fossedelimitada, para que seja feita uma sucção de lama e outros sedimentos que possam dificultar a visão e um posterior reconhecimento por mergulhadores, para se saber se trata-se realmente do naufrágio do navio Palas ou de outros tipos de escombros.

Por solicitação da Superintendência do Porto de Itajaí, técnicos do Centro de Documentação e Memória Histórica da Fundação Genésio Miranda Lins estão desenvolvendo uma ampla pesquisa para confirmar as possibilidades de se tratar do naufrágio, durante a Revolta da Armada, possibilitando assim o resgate dessa parte da história.

Pesquisador confirma que escombros são do navio Palas

A Construtora Triunfo teria conhecimento da existência dos escombros do naufrágio do navio Palas ocorrido na barra do Porto de Itajaí há cerca de 124 anos. A afirmação é do pesquisador e consultor Haroldo Becker Filho, que trabalhou no canteiro de obras da empresa no molhe de Navegantes e garante ter comunicado à construtora da existência do navio naufragado na área há pelo menos um ano. Becker, inclusive, tem registros do descarte de peças do navio nas caçambas de lixo da empresa.

Segundo a fonte, os restos do navio naufragado em 1893-1894, inclusive restos de material bélico, estão nas proximidades dos espigões que estão sendo retirados para o alargamento do canal de acesso e às escavações para a nova bacia de evoluções.

Becker teve conhecimento do naufrágio inicialmente em 1998. Começou as pesquisas no ano de 2008 e no início deste ano fez mergulhos para reconhecimento da área, ocasião em que diz ter constatado ser a embarcação utilizada na Revolta da Armada. Suas suspeitas foram confirmadas após os resultados de análises que encomendou a especialistas do Museu Nacional do Rio de Janeiro.

Procurada ontem, a empresa disse que deve se manifestar sobre o assunto nos próximos dias.

Portonave registra recorde de movimentação entre os portos do Sul

Integrante do Complexo Portuário do Itajaí, o terminal de uso privado (TUP) Portonave, em Navegantes, é o primeiro terminal do Sul do Brasil a ultrapassar a marca de 80 mil TEUs (Twenty-foot Equivalent Unit - unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés) movimentados em um mês. O recorde foi registrado no mês de julho, quando o porto recebeu 60 navios, operou 49,58 mil unidades, 86,72 mil TEUs e 866,78 mil toneladas em cargas conteinerizadas. A média mensal do terminal em 2017 é de 52,57 navios, com 42,22 mil unidades e 73,45 mil TEUs. Em tonelagem, a média mensal movimentada em contêineres pela Portonave é de 747,83 mil toneladas. 

Definida estratégia para averiguação dos supostos escombros do naufrágio do navio Palas

A Secretaria de Estado da Infraestrutura (SEI) se reuniu na tarde desta terça-feira com representantes da Construtora Triunfo, Prosul e Superintendência do Porto de Itajaí para definir uma estratégia para averiguar de os escombros encontrados nas obras da primeira etapa dos acessos aquaviários do Complexo Portuário do Itajaí.

A reunião foi coordenada pelo engenheiro de carreira da SEI e fiscal da obra, Ivan Amaral, e pelo secretário adjunto Paulo Roberto Tesserolli França. Ficou definido que a área onde foram encontrados os escombros será delimitada, para que seja feita uma sucção e posterior reconhecimento por mergulhadores, para se saber se trata-se realmente do naufrágio do navio Palas ou de outros escombros.

 

Navio naufragado há 124 anos pode ter aparecido nas obras dos acessos aquaviários ao Complexo Portuário do Itajaí

Os escombros do naufrágio do navio Palas, ocorrido há 124 anos, podem ter aparecido nas dragagens dos novos acessos aquaviários do Complexo Portuário do Itajaí. A informação chegou ao Blog da Redação na última segunda-feira, 14, acompanhada de imagens de escombros, e estão ainda sendo checadas. No entanto, sabe-se já que a área onde supostamente foram encontrados os destroços será isolada, até que a hipótese seja confirmada e o naufrágio preservado.

O fiscal da obra, engenheiro da Secretaria de Estado da Infraestrutura Ivan Amaral, foi surpreendido com a notícia na manhã de ontem e contatou a Superintendência do Porto de Itajaí e a Construtora Triunfo, responsável pela obra, para a definição das estratégias a serem adotadas. No entanto, Amaral disse ter conhecimento de que havia alguma coisa submersa no local. Tanto é que a área foi desviada para que as dragas não fossem danificadas.

O superintendente do Porto de Itajaí, engenheiro Marcelo Werner Salles, também só foi informado ontem do fato e, imediatamente, acionou a Gerência do Meio Ambiente para apurar os fatos. Salles também solicitou à Fundação Cultural de Itajaí um levantamento histórico do naufrágio, pois também há a possibilidade dos escombros não serem do Palas e sim pedaços de vagonetes utilizados na construção do molhe, entre outras possibilidades. A Triunfo ainda não se manifestou com relação ao fato, mas deve se pronunciar nos próximos dias.

Segundo relatos da Marinha do Brasil, o navio Palas foi uma embarcação com casco em aço e de propulsão a vapor, movido a hélice, pertencente à Companhia Frigorífica Brasileira, com sede no Rio de Janeiro. A embarcação teria sido incorporada às forças navais pelos revolucionários da Armada em 1893*. Chegou a Santa Catarina dias depois, juntamente com a embarcação Aquidabã, naufragando na barra do Rio Itajaí em 25 de outubro. Há relatos que durante muitos anos sua carcaça aflorava das areias do pontal, dando inclusive o nome ao local de Praia do Palas.

Entre as imagens recebidas pelo Blog da Redação estão pedaços de madeira de carvalho com pinos em bronze, estruturas de ferro com rebites e vedação em lona, chapa de revestimento em bronze ou metal e pedaço de amarra em rami, supostamente pertencentes à embarcação.

Matéria completa sobre o assunto na edição impressa de setembro da Revista Portuária - Economia & Negócios.

(*) Há divergencias com relação ao ano. Em alguns documentos, o naufrágio teria ocorrido em outubro de 1894. 

Liberado o acesso ao Complexo Portuário do Itajaí

A autoridade marítima declarou aberta a barra de acesso ao Complexo Portuário do Itajaí na manhã desta terça-feira, após avaliação da Praticagem, às 6h30.

A prioridade foi  a desatracação de um cargueiro que estva no TUP Portonave desde a quinta-feira passada, para posteriormente dar início às manobras de atracação. Até ontem, seis navios aguardavam fundeados a liberação do acesso.

Movimentação de cargas cresce 3% no Complexo do Itajaí-Açu

O Complexo Portuário do Itajaí encerrou os primeiros sete meses deste ano com aumento de 3% na movimentação de cargas. Foram 626,3 mil TEUs (Twenty-fdoot Equivalent Unit - unidade internacional equivalente a um contêiner de 20 pés) nos primeiros sete meses deste ano ante 609,57 mil TEUs em igual período do ano passado. O número de escalas cresceu 2%.

O terminal de uso privado (TUP) Portonave se mantem com a maior fatia das operações, com 499,36 mil TEUs, ante 110,21 mil TEUs operados pela APM Terminals Itajaí. Já o número de escalas cresceu 2% na margem de Navegantes, enquanto caiu 12% em Itajaí.

Barra do Complexo do Itajaí continua fechada

Continua fechado o acesso ao Porto de Itajaí e demais terminais que formam o Complexo Portuário do Itajaí-Açu. A Autoridade Marítima declarou a impraticabilidade da barra no início da manhã de sexta-feira e não há previsão de reabertura.

O Terminal Portonave está com um navio atracado desde a semana passada, que já deveria ter zarpado. A praticagem de Itajaí deve fazer uma avaliação às 15h de hoje para ver a possibilidade de retirada deste cargueiro. Ainda está programada uma nova avaliação para as 6h30 de amanhã, terça-feira, para que seja reavaliada a possibilidade de reabertura do canal, mesmo que com restrições, para manobras de atracação.

Até a manhã desta segunda-feira seis navios aguardavam ao largo, à espera da possibilidade de atracação.

Para a atividade portuária, cada dia de barra impraticável significa que Complexo Portuário deixa de operar a média de 1,8 mil contêineres. Isso representa que, a cada dia parado, deixam de ser movimentados R$ 2,88 milhões no Porto e demais terminais.

15 manobras poderão deixar de ocorrer até o domingo

Se a previsão da Defesa Civil se confirmar, 15 manobras deixarão de acontecer no Complexo. Para hoje estavam previstas duas atracações. Já no sábado deveriam ser feitas três manobras de entrada, duas de saída e duas mudanças de berço e, no domingo, quatro saídas e duas entradas.

Nestes três dias o complexo deverá deixar de movimentar R$ 8,64 milhões. O cálculo é feito tomando como base a movimentação média diária de 1,8 mil contêineres, a R$ 1,6 mil cada contêiner, que é o valor referência da Superintendência do Porto de Itajaí. Neste valor estão inclusas as tarifas portuárias, transporte, mão de obra, mais outras despesas logísticas computadas na operação do armazém ao interior do navio.  

Acesso fechado ao Complexo Portuário do Itajaí

A Autoridade Marítima de Itajaí, no caso a Delegacia da Capitania dos Portos, declarou impraticável o acesso ao Porto e terminais portuários instalados na foz do Rio Itajaí-Açu a partir das 07h desta sexta-feira. A medida foi tomada para garantir a segurança das operações de acesso devido aos ventos com velocidade de 15 nós, ondas de até 3,5 metros de altura e rajadas de 20 nós.

Não há previsão de abertura da barra nas próximas horas, uma vez que segundo as previsões da Defesa Civil, o mar deverá estar muito agitado, inclusive com possibilidade de ressacas no Litoral Catarinense até o meio-dia de domingo, 13. Há riscos de ondas com picos de até quatro metros nos períodos da preamar, com risco para navegação e atividades de pesca.

Para a atividade portuária, cada dia de barra impraticável significa que Complexo Portuário deixa de operar a média de 1,8 mil contêineres. Isso representa que, a cada dia parado, deixam de ser movimentados R$ 2,88 milhões no Porto e demais terminais.

Decreto marca início do programa de expansão do Porto de Itajaí

Por meio do Decreto 11.025, de 04 de agosto, o prefeito Volnei Morastoni declarou de relevante interesse público, para fins de expansão portuária, os imóveis contidos na poligonal delimitada pelas vias Avenida Cel. Eugênio Müller, Av. Marcos Konder, Rua Silva, Rua Tijucas, Rua Olegário de Souza Júnior e seu prolongamento, Av. Irineu Bornhausen, Rua Max e Rua Blumenau.

Na vigência do Decreto estão suspensas a concessão de consultas prévias, alvarás construtivos, licenças e permissões de ordem urbanística relacionadas aos imóveis. O decreto ainda estabelece o prazo de 180 dias - contados da publicação, na página 18 do Jornal do Município do dia 04 de agosto - para a conclusão dos trabalhos e estudos necessários às implementações das desapropriações, podendo, inclusive, ser prorrogado por igual período.

Além da desapropriação dos imóveis compreendidos nessa poligonal, o Decreto prevê ainda a incorporação de parte das ruas e avenidas Tijucas, Blumenau, Irineu Bornhausen, Benjamin Franklin Pereira e Pedro Antônio Fayal, e da Rua Cel. Eugênio Muller e da Travessa Bela Cruz à área de expansão do Porto de Itajaí.

O superintendente do Porto de Itajaí, Marcelo Werner Salles, diz que as áreas declaradas de relevante interesse público, para fins de expansão portuária também fazem parte do Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do Porto e do Plano Mestre do governo federal para a expansão.  

 

Porto de Imbituba inicia temporada 2017 de monitoramento das baleias francas

A SCPar Porto de Imbituba deu início ao Programa de Pesquisa e Monitoramento das Baleias Francas no Porto de Imbituba e Adjacências. O primeiro sobrevoo de monitoramento da espécie foi realizado na última semana de julho e abriu a temporada 2017 do projeto. O monitoramento aéreo foi realizado desde a praia do Moçambique, em Florianópolis, até o município de Torres, no Rio Grande do Sul, e foi registrada a presença de 29 baleias francas e uma baleia jubarte na área.

Em paralelo aos sobrevoos, o Setor de Meio Ambiente do Porto de Imbituba também apresenta à comunidade portuária o PO.SSMA.01. Trata-se de um novo procedimento interno de boas práticas para as embarcações que atuam no porto durante a temporada de reprodução da espécie. O documento tem caráter orientativo e reforça diretrizes para navegação, com o objetivo de preservar a espécie de molestamentos não intencionais e minimizar os riscos de uma possível colisão com embarcações.

O público-alvo da iniciativa são os trabalhadores portuários envolvidos diretamente com as manobras de atracação e desatracação, como os práticos, rebocadores, comandantes e agentes marítimos. Este é o quinto ano que a SCPar Porto de Imbituba realiza o Programa.

Draga holandesa auxilia no restabelecimento das profundidades dos acessos ao Complexo Portuário do Itajaí

Mais uma draga passou a operar no restabelecimento das profundidades dos canais de acesso e bacia de evolução do Complexo Portuário do Itajaí em 14 metros. A embarcação denominada Elbe, de fabricação holandesa, chegou a Itajaí nesta semana e auxilia nas operações da draga Xin Hai Niu nos berços de atracação e em outros pontos de menor acesso, onde a draga chinesa não tem proximidade devido ao seu tamanho.

A draga Elbe é tipo “hopper dredger”. Pesa 2,47 mil toneladas e 3,34 mil TPB. Mede 77,15 metros, tem boca de 15 metros, cisternas com capacidade para 2,8 mil metros cúbicos e potência instalada de 4,48 mil Quilowatt (KW). Está em atividade há sete anos e seu último trabalho de dragagem foi realizado no Porto de Paranaguá.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt