domingo, 23 de junho de 2024
21/06/2024

Dicas da Celesc para reduzir o consumo de energia durante o inverno


Nesta quinta-feira (20), às 17h51, começa o inverno 2024 no Brasil. Para incentivar o uso consciente de energia durante os meses mais frios do ano, a Celesc está lançando uma campanha com dicas práticas para ajudar a população a reduzir a conta de luz por meio de mudanças nos hábitos diários.
Em 2023, o consumo de energia nas residências aumentou 5,6% em comparação a 2022. Nos primeiros três meses de 2024, o consumo de energia elétrica residencial também subiu 9,4% em relação ao mesmo período do ano anterior.
O uso prolongado do chuveiro elétrico é um dos principais vilões do consumo de energia nas residências, representando de 25% a 35% da despesa total com eletricidade. "Vale lembrar que o chuveiro no modo inverno consome, em média, 30% mais energia do que na posição verão", destaca Thiago Jeremias, Gerente da Divisão de Eficiência Energética da Celesc.
Confira as dicas da Celesc para economizar energia durante o inverno:
Banhos mais curtos: Limite o tempo de banho a 10 minutos e evite usar outros aparelhos enquanto o chuveiro está ligado.
Aquecimento eficiente: Durante o uso de aquecedores elétricos, mantenha janelas e portas fechadas para evitar a entrada de ar frio. Limpe os filtros regularmente e desligue os aparelhos ao sair do ambiente por períodos prolongados.
Lavadora e secadora de roupas: Limpe o filtro da lavadora regularmente para reduzir o esforço da rede elétrica. Prefira secar as roupas ao ar livre ou próximo a janelas. Ao usar a secadora, siga as recomendações do manual sobre a quantidade ideal de roupas para não sobrecarregar o aparelho. Nunca seque roupas atrás da geladeira, pois isso aumenta o consumo de energia e pode danificar o eletrodoméstico.
Aproveite a luz natural: Evite deixar lâmpadas acesas desnecessariamente e aproveite ao máximo a iluminação natural.
Torneiras Elétricas: Ajuste a temperatura da água para um nível médio de calor e mantenha a torneira fechada enquanto ensaboa as louças para economizar energia.
Uso eficiente do forno: Abra a porta do forno apenas quando necessário para evitar desperdício de calor e uso excessivo de energia.
Consumo consciente da geladeira: Evite abrir a geladeira desnecessariamente e nunca seque roupas atrás dela. Isso sobrecarrega o motor e aumenta o consumo de energia.
Secador de cabelo: Seque o cabelo o máximo possível com a toalha antes de usar o secador, reduzindo o tempo de uso do aparelho e o consumo de energia.
Com essas práticas simples, a Celesc espera ajudar os consumidores a controlar melhor o consumo de energia durante o inverno, promovendo economia e sustentabilidade.
 

 



Blog

ApexBrasil inclui 13 feiras comerciais nos EUA ao seu calendário internacional de eventos

A partir de agora, empresários e empresárias brasileiras terão ainda mais oportunidades para fazer negócios nos Estados Unidos. A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), por meio de seu programa ApexBrasil +Feiras, fechou neste mês uma parceria com a Emerald, a maior organizadora de feiras comerciais nos EUA. A empresa traz em seu portfólio uma grande variedade de eventos anuais, que vão complementar o vasto leque de opções que a Agência já oferece para quem deseja adentrar ou fortalecer sua presença no mercado norte-americano.
 
O acordo com a Emerald beneficia diretamente a promoção comercial de produtos e serviços brasileiros no mercado norte-americano, em setores variados da economia. Essa é uma prioridade para os negócios da ApexBrasil, conforme reiterou o presidente da Agência, Jorge Viana, durante as agendas que liderou junto de representantes dos Setores de Promoção Comercial (SECOMs) das embaixadas brasileiras nos EUA e no Canadá, entre 12 e 15 de março deste ano. ˜Queremos ampliar a presença das empresas nacionais no exterior, e isso exige uma estratégia diferenciada para estimular acordos bilaterais com os Estados Unidos, o principal mercado do mundo e o nosso segundo maior parceiro comercial", frisou Viana na cerimônia de abertura dos encontros.
 
A vice-presidente da Emerald, Indira Franca, brasileira baseada nos Estados Unidos, destacou a potência da parceria. "Nós, como Emerald, estamos muito honrados de ser o primeiro organizador americano a assinar o acordo com a ApexBrasil +Feiras, porque nós cremos que vamos poder apoiar e facilitar realmente a entrada das empresas brasileiras no mercado americano através das nossas plataformas, incluindo as nossas feiras", celebrou Franca, durante reunião na ApexBrasil para consolidar o acordo. A CEO complementou que o Brasil é um país com altíssimo potencial de destaque nesses eventos, tendo em vista também a diversidade de oportunidades no portfólio da Emerald. 
 
O ApexBrasil +Feiras é uma das formas de apoio à participação de empresas brasileiras em eventos no exterior. O programa oferece acesso a um conjunto de feiras internacionais, em setores variados da economia e em mercados não tradicionais, facilitando a promoção comercial de micro e pequenas empresas e das que ainda estão iniciando sua jornada exportadora. O acordo com a Emerald, em especial, vai viabilizar a participação do Brasil em 13 novas feiras nos Estados Unidos, em diferentes segmentos. Uma delas é a Cocina Sabrosa, ponto de encontro para o mercado latino de alimentos e bebidas, que acontecerá em Irving, nos Texas – clique aqui para se inscrever até 31 maio. 
 
Confira a lista dos eventos incluídos no portfólio do ApexBrasil +Feiras por meio da parceria com a Emerald: 
- Design, reformas e construções
 
BOUTIQUE DESIGN NY
Hospitality and Destination (HD) EXPO & CONFERENCE
INTERNATIONAL FASTENER EXPO (IFE)
- Esportes e práticas desportivas em ambientes externos/ar livre 
ACTIVE COLLECTIVE CA
ACTIVE COLLECTIVE NY
SWIM COLLECTIVE
OUTDOOR RETAILER
SURF EXPO
- Alimentos
COCINA SABROSA
PIZZA EXPO
- Casa, presentes e varejo no geral
ASD MARKET WEEK
NY NOW
- Tecnologia e marketing
CEDIA EXPO
 
Sobre a Emerald
Emerald é a maior produtora de feiras, conferências, conteúdo e comércio dos Estados Unidos. A empresa produz mais de 140 feiras anuais de negócios B2B e eventos para consumidores, buscando proporcionar conexões que impulsionam o crescimento de negócios variados. Seus conteúdos comerciais, disponíveis em meio impresso e digital, oferecem conhecimento especializado para manter os clientes na vanguarda de seus setores. Além disso, as soluções comerciais da empresa apostam em tecnologia de última geração para promover experiências de compra e venda mais econômicas e eficientes.

 

Nova resolução nas regras de importação coloca em risco investimentos de R$ 26 bilhões em novos projetos fotovoltaicos no País, avalia ABSOLAR

A publicação da Resolução GECEX nº 572/2024, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC) esta semana, que revogou 27 ex-tarifários para importação de inversores solares, coloca em risco investimentos de R$ 26 bilhões em novos projetos fotovoltaicos no Brasil.

O alerta é da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR). Para a entidade, a revogação de ex-tarifários em uso pelo setor pode levar a potenciais quedas de investimentos, tanto já previstos quanto futuros, com fuga de capital, cancelamento de projetos já contratados e em execução e a consequente perda de empregos e renda para os trabalhadores do setor, além de um aumento no preço da energia solar para os consumidores e a população brasileira.
  
Dos 27 ex-tarifários revogados para aquisição de inversores solares, oito deles estavam contidos na lista prioritária de 83 ex-tarifários de inversores fotovoltaicos apontados como os mais importantes para os projetos no setor, segundo declarado pelos próprios associados da ABSOLAR. 
 
O montante de projetos no País potencialmente impactados pela medida soma 5,78 gigawatts (GW), que podem acarretar, com a atual revogação, na perda de cerca de 159,7 mil empregos verdes, caso estas usinas sejam afetadas e não saiam do papel.
 
Os ex-tarifários de inversores revogados esta semana pela GECEX já afetam em torno de 920 megawatts (MW), correspondendo à 25,4 mil empregos verdes e R$ 4,5 bilhões em investimentos em risco.
 
“Para superar estes desafios e eliminar estes riscos, a ABSOLAR propõe a estruturação de um plano bem delineado e efetivo para equipamentos fotovoltaicos, considerando um período de transição mínimo de 24 meses para os ex-tarifários efetivamente em uso pelo setor, mapeados pela entidade com o apoio de nossos associados. O objetivo é evitar a inviabilização de projetos já em andamento no País, assegurando a manutenção da segurança jurídica, previsibilidade e estabilidade tributária ao setor”, explica Rodrigo Sauaia, presidente executivo da ABSOLAR.
 
“A continuidade da evolução do mercado de energia solar, segunda maior fonte no País e que responde por mais de 1,2 milhão de empregos gerados na última década e cerca de R$ 190 bilhões de investimentos acumulados no Brasil, não deve ser ameaçada, especialmente quando o Governo Federal estabelece agendas de desenvolvimento da economia verde, transformação ecologia e transição energética como bandeiras estratégicas do Brasil, nos âmbitos nacional e internacional”, afirma Sauaia.

Sobre a ABSOLAR
 
Fundada em 2013, a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) é a entidade do Brasil que reúne todos os elos da cadeia de valor da fonte solar fotovoltaica e demais tecnologias limpas, incluindo armazenamento de energia elétrica e hidrogênio verde. Com associados nacionais e internacionais, de todos os portes, a entidade é fonte de informação e articulação em prol da transição energética sustentável do Brasil.

 

Como empresas podem apoiar uma vida mais saudável para seus colaboradores

As empresas podem ajudar os seus colaboradores a terem hábitos mais saudáveis, com a implementação de programas de nutrição que contemplem atividades de educação nutricional, promovendo bem-estar e saúde através de um estilo de vida saudável. Os funcionários passam a ter um acompanhamento nutricional personalizado, participando também de palestras online, rodas de conversa, desafios, oficinas culinárias e acesso a vídeos com orientações.

Segundo a nutricionista Stéphanie Xavier, responsável técnica pelo “Programa de Nutrição” da AsQ, empresa especializada em gestão de saúde corporativa, não basta a empresa oferecer as iniciativas voltadas para os cuidados alimentares, os funcionários precisam praticar as atividades e se comprometer com o planejamento. O ponto de partida, segundo a especialista, é a consulta com um nutricionista. “É no consultório que conhecemos as necessidades e objetivos dos pacientes, desde perda de peso, hipertrofia, tratamento para graus de obesidade, hipertensão, diabetes e hipercolesterolemia. Além de doenças relacionadas ao comportamento alimentar e prevenção de outras doenças”, afirma Stéphanie.

Os benefícios dos programas de nutrição refletem no desempenho profissional. Os trabalhadores passam a ser mais produtivos e a entregar um produto final com mais qualidade, enquanto as empresas conseguem reduzir o absenteísmo decorrente de doenças e aumentar seus lucros financeiros. “Através do ‘Programa de Nutrição’, abordamos temas que promovem a saúde e bem-estar, prevenindo e tratando doenças, trazendo mais disposição e energia aos colaboradores. Assim, resultando em mais qualidade de vida e produtividade”, enfatiza Stéphanie.

Para uma vida mais saudável para seus colaboradores, a nutricionista Stéphanie Xavier dá dicas de práticas alimentares que podem ser incentivadas pelas empresas nos ambientes de trabalho. Acompanhe!

Dicas de nutrição para incentivar hábitos mais saudáveis aos colaboradores

Acompanhamento nutricional
Oferecer, através de programas de nutrição, consulta individual personalizada aos trabalhadores. Os atendimentos personalizados permitem a criação de um planejamento adequado com receitas e suplementação, respeitando as necessidades de cada paciente.

Ferramentas remotas
Garantir aos colaboradores o acesso a recursos internos, como o suporte e apoio de profissionais por meio de 0800, WhatsApp, e-mail, aplicativos e plataformas na intranet.

Educação nutricional
Conscientizar a equipe sobre a importância de participar das ações voltadas à mudança de hábitos alimentares, como palestras online, rodas de conversa e até oficinas culinárias. Organizados sempre por nutricionistas e equipe multidisciplinar, esses eventos precisam orientar os funcionários para um estilo de vida que resultará em mais saúde.


Consulta contínua
Incentivar o empregado a manter o vínculo com o nutricionista até o fechamento do diagnóstico. Esse comprometimento é importante para que os encaminhamentos sejam feitos para outros profissionais e especialidades médicas, se houver necessidade.

Mudanças na rotina
Reforçar no dia a dia os benefícios de uma alimentação mais saudável, com ingestão de frutas, verduras e legumes. Reforçar o consumo de água, assim como os cuidados em relação à ergonomia e a prática de ginástica laboral.​

CEO da Duas Rodas, Leonardo Fausto Zipf, receberá Ordem do Mérito da CNI

O empresário catarinense Leonardo Fausto Zipf, presidente do Grupo Duas Rodas Industrial, de Jaraguá do Sul, será agraciado com a Ordem do Mérito Industrial da CNI. A indicação, que foi feita pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), foi aprovada nesta quarta (20), pela diretoria da Confederação Nacional da Indústria.

"Esta homenagem é o reconhecimento da indústria brasileira à trajetória de um líder que conduziu o processo de internacionalização da empresa e a posicionou no topo do mercado latino-americano de ingredientes para alimentos”, afirma o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar.

“Zipf carrega características comuns do industrial e do empreendedor catarinense, da perseverança, arrojo, da capacidade de inovação, de resiliência e de se reinventar”, acrescenta Aguiar. 

Nascido em Blumenau, Zipf chegou à Duas Rodas em 1989, na área comercial, como supervisor de vendas. Posteriormente, ocupou as funções de gerente e diretor comercial, até assumir a posição de CEO executivo do Grupo. Sob sua liderança, a empresa estabeleceu unidades produtivas no Chile, Colômbia e México. Além disso, em 2024, a indústria adquiriu a tropextrakt GmbH, na Alemanha, com a qual a Duas Rodas estabeleceu um centro avançado de inovação e logística em um dos maiores mercados globais. A empresa também expandiu sua presença com escritórios comerciais nos Estados Unidos e na China.

A expansão também ocorreu em território nacional, com a implantação de unidades fabris na cidade sergipana de Estância, e com a aquisição, em 2015, da Mix Indústria de Produtos Alimentícios Ltda, em São Bernardo do Campo-SP.

Administrador com especialização em Marketing, Zipf integrou os conselhos de administração de diversas empresas, incluindo Dudalina, Tigre Tubos e Conexões, Sênior Sistemas e Karsten. Atualmente, faz parte do conselho de administração da EMBRAED. Na Duas Rodas, além de CEO executivo, ele preside o conselho. Em 2019, ele recebeu a Ordem do Mérito Industrial de Santa Catarina, outorgada pela FIESC.

Ordem do Mérito Industrial da CNI
Zipf será o 33º industrial catarinense a receber a maior condecoração da indústria brasileira, criada em 1958. A Ordem do Mérito Industrial CNI é concedida a personalidades e instituições que contribuem significativamente para o desenvolvimento da indústria brasileira.

A homenagem a Zipf está programada para 21 de junho, em evento na FIESC, juntamente com a outorga da Ordem do Mérito Industrial de Santa Catarina.

Sobre a Duas Rodas
A fábrica de extratos e essências naturais foi fundada em 1925, na cidade de Jaraguá do Sul, pelo casal de imigrantes Rudolph e Hildegard Hufenüssler. Ele químico-farmacêutico e ela física, oriundos de Mainz, na Alemanha. Em 1935, a empresa começou a exportar para o Uruguai e, em 1938, para a Europa. O nome Duas Rodas Industrial, pelo qual os produtos já eram conhecidos, passou a ser adotado oficialmente em 1992, substituindo a nomenclatura anterior – Indústrias Reunidas S/A.

A companhia emprega cerca de 1,7 mil pessoas e produz mais de três mil itens divididos em três mercados: Flavors (aromas, extratos botânicos, condimentos e aditivos, além de soluções integradas), Food Service (onde atua com as marcas Selecta, Specialitá e Mix na fabricação de ingredientes para sorvetes, chocolates e confeitaria) e Animal Nutrition (ingredientes para nutrição animal, com a marca Statera). 

Com informações da Duas Rodas e CNI 

Foi positivo caça-níqueis, loteria e jogos de azar ficarem fora do Marco Legal dos Games, opina especialista

O Senado aprovou, na semana passada, o Marco Legal dos Games para regulamentar a atividade das empresas que desenvolvem jogos eletrônicos. Segundo o projeto, os games poderão ser protegidos por meio de patentes. Agora, a matéria retorna para a Câmara dos Deputados, pois os senadores mudaram o conteúdo do projeto.
A proposta permite que empresas captem recursos por meio da Lei Rouanet e da Lei do Audiovisual, criadas para incentivar a cultura no país.
Para Marcelo Mattoso - sócio do Barcellos Tucunduva Advogados (BTLAW) e com Mestrado Avançado (LL.M.) em Direito – Inovação e Tecnologia – na Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas, essa proposta de financiamento pela Lei Rouanet é apenas uma formalização do que já acontecia. "Desde o início dos anos 2000 os games já são reconhecidos, no Brasil, como meio de produção cultural, seja pelo Ministério da Cultura ou pela própria comunidade. O próprio mercado do audiovisual apoia essa ideia, uma vez que os mercados se conectam e isso é benéfico para ambos. O ecossistema cultural de entretenimento brasileiro só tem a ganhar", opina.
Empresas estrangeiras poderão abater 70% do imposto sobre remessas ao exterior relacionadas à exploração de games ou licenciamentos - desde que as companhias invistam em jogos eletrônicos nacionais.
O governo também deve facilitar ferramentas para o desenvolvimento do setor. A última versão do relatório retirou benefícios como a possibilidade de abater até 80% dos investimentos feitos na base de cálculo do Imposto de Renda e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Além disso, os chamados fantasy games ficaram fora, por enquanto, da regulamentação. Para Mattoso, o texto vai na direção correta.
"Eu achei um ponto positivo os fantasy games, caça-níqueis, jogos de azar e loteria estarem fora do texto. Era uma briga muito grande do setor não misturar esses mercados”, defendeu. Existem dois universos distintos que estavam sendo discutidos no mesmo projeto, sendo um deles o setor de jogos eletrônicos (games ou vídeo games para consoles, PC ou mobile) e o setor de fantasy games.
“Os dois integram a indústria do entretenimento e ambos se baseiam em 'games' para gerar o conteúdo de entretenimento, mas não se correlacionam entre si, possuem público-alvo distantes e modelos de monetização completamente diferentes. O texto inicial do Marco Legal dos Games acabou misturando os dois universos e não abarcando nenhum deles de forma plena", explica.
Fonte:
Marcelo Mattoso - sócio do Barcellos Tucunduva Advogados (BTLAW) e especialista no Mercado de Games e eSports. Mestrado Avançado (LL.M.) em Direito – Inovação e Tecnologia – na Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV/RJ).

 

Febraban dá dicas para pagar boletos com segurança e evitar golpes

O boleto bancário é um dos meios mais usados pelos brasileiros para pagamentos de contas de consumo como escolas, academias, condomínios, planos de saúde, consórcios, financiamentos, cartões de crédito, entre outros, e só no ano passado foram 4,2 bilhões de documentos transacionados totalizando R$ 5,8 trilhões. Entretanto, assim como em outros meios de pagamento, o boleto também atrai a atenção dos golpistas.
 
Com a entrada em operação da Plataforma Centralizada de Recebíveis (PCR), em 2018, sistema criado pela Febraban (Federação Brasileira de Bancos) em parceria com os bancos para registro de títulos de cobrança dentro das normas exigidas pelo Banco Central, foram mitigados os golpes envolvendo a adulteração de boletos físicos. 
 
Por meio dela, o consumidor pode pagar boletos vencidos em qualquer canal de recebimento (banco ou correspondente) ou optar pelo Débito Direto Autorizado (DDA), o que reduz o risco de fraudes, uma vez que o DDA apresenta os dados para pagamento diretamente da base da Plataforma Centralizada de Recebíveis. Outra vantagem trazida pela plataforma é que os comprovantes de pagamento dos títulos passaram a ser mais completos, apresentando os detalhes do boleto (razão social e nome fantasia do emissor do boleto, valor, data de vencimento e, se for o caso, juros, multa, desconto etc.), além de informações do beneficiário e do pagador.
 
Todas essas informações permitem ao consumidor ter a certeza de que o boleto que está sendo pago efetivamente é aquele que teria de pagar. A Febraban calcula que o novo sistema eliminou o equivalente a R$ 450 milhões em fraudes por ano (valor estimado).
 
O setor bancário investe constantemente em melhorias para o produto. No último dia 15 de março, parte da liquidação interbancária da cobrança do documento começou a ser feita no mesmo dia do pagamento, prazo conhecido como D+0. Outra parte continua com sua liquidação ocorrendo no prazo D+1 (em um dia útil). 
 
Com a mudança, que dá mais agilidade para o cobrador e beneficia o comércio, se o cliente pagar o boleto até às 13h30, o cobrador poderá receber o dinheiro no mesmo dia, dependendo do contrato que ele tenha com a sua instituição financeira. Se o pagamento for feito após às 13h30, a liquidação ocorrerá no dia seguinte. 
 
Entretanto, golpistas estão sempre em busca de novas formas para cometer crimes. A Febraban alerta que é de extrema importância que as pessoas se mantenham alertas para evitar serem vítimas. Os fraudadores apostam na desatenção dos pagadores para aplicar golpes.
 
A FEBRABAN separou algumas dicas para ajudar as pessoas a reconhecerem boletos falsos e reduzir as chances de caírem nas armadilhas criadas pelos golpistas:
 
- Confira os dados do beneficiário do boleto
Com a entrada em operação da Plataforma Centralizada de Recebíveis (PCR), todos os boletos emitidos precisam ser registrados antes de serem emitidos. Para isso, os bancos inserem as informações ao documento, tais como CPF ou CNPJ do emissor, data de vencimento, valor, além do nome e número do CPF ou CNPJ do pagador. 
 
No momento do pagamento, independente do canal utilizado (caixa eletrônico, mobile bank, internet bank etc.), os dados do beneficiário (a empresa que receberá o dinheiro) serão mostrados, o que permite ao pagador realizar a conferência com os dados que constam do boleto físico que está em suas mãos. Se a conta em questão não pertencer ao beneficiário correto, o cliente não deve concluir a operação. Em caso de qualquer dúvida, o cliente deve entrar em contato com o SAC da empresa. 
 
- Não imprima os boletos
Muitas quadrilhas usam vírus para adulterar os boletos na hora da impressão. Ele muda os dados do boleto, como valor e a conta na qual o dinheiro será depositado, e entra em ação quando a pessoa imprime o boleto. Para evitar ser vítima desse tipo de golpe, a recomendação é solicitar que o emissor mande o arquivo no formato PDF, bem mais difícil de ser adulterado, e manter sempre um antivírus atualizado. 
 
- Confira os dados do banco emissor do boleto
Diversos golpistas cometem pequenos deslizes na hora de criar os boletos adulterados. Um deles é colocar, no documento, um logo diferente da instituição financeira que emitiu o título. Para verificar se está tudo certo, basta conferir se os três primeiros números do código de barra correspondem ao banco que aparece no boleto. 
- Use o DDA (Débito Direto Autorizado)
Uma das formas de evitar pagar boletos falsos é aderir ao DDA (Débito Direto Autorizado). Ao se cadastrar, o cliente irá receber a versão eletrônica de todos os boletos emitidos em nome dele. Como o serviço pega as informações direto daPlataforma Centralizada de Recebíveis, não há o risco de o documento ser fraudado por um golpista se fazendo passar por uma loja ou empresa prestadora de serviço. 
 
Para aderir ao DDA, o consumidor deve fazer o registro como “pagador eletrônico” na instituição financeira em que tem conta, e, caso haja cobrança em seu nome, a ferramenta permite ao cliente receber o boleto de forma eletrônica, o que facilita o reconhecimento da dívida e, após este reconhecimento, autorizar o débito para o pagamento. O cadastro também pode ser feito pelos canais eletrônicos.
 
Importante deixar claro que o DDA é um serviço diferente do débito automático. Ao aderir ao Débito Direto Autorizado, o cliente autoriza o banco a notificá-lo sempre que um boleto é emitido em seu nome e disponibiliza o documento para pagamento, mas não realiza a operação. No débito automático, o consumidor autoriza a instituição a pagar o título na data de vencimento. 

 

Porto de Porto Alegre registra o melhor bimestre operacional de sua história

A unidade Porto Alegre da Portos RS registrou o melhor mês de fevereiro de toda a sua história ao atingir a movimentação de 107.274 toneladas. O aumento contribuiu para também fazer deste o melhor primeiro bimestre de todos os tempos, com o total de 175.227 toneladas nos dois primeiros meses de 2024, um crescimento de 81.02% em relação ao mesmo período de 2022.

 Nos primeiros 60 dias de 2024 passaram pelo cais comercial porto-alegrense 43 embarcações entre barcaças de navegação interior e navios de longo curso. Somente as cargas de trigo movimentaram 89.811 toneladas, sendo seguidas pelos fertilizantes (45.996t), pelo sebo bovino (20.879t), pela cevada (17.291t) e por cargas gerais (1.250t).

 O Brasil lidera a lista dos países de origem das mercadorias desembarcadas na unidade durante o primeiro bimestre, com 89.721 toneladas, o equivalente a 58.64% do total. Na sequência, aparecem a Rússia (38.936t), Argentina (12.530t), Alemanha (7.060t) e o Uruguai (4.761t).

 Já os embarques realizados no Porto de Porto Alegre tiveram, principalmente, os Estados Unidos como destino (21.559t) e também o mercado interno (570t). Em fevereiro, a Portos RS anunciou que planeja executar ainda em 2024 a obra de requalificação da pavimentação da área operacional da unidade, o que dará mais agilidade e segurança às operações.

 Ao comentar os resultados obtidos pela unidade, o gerente de planejamento e desenvolvimento da Portos RS, Fernando Estima, lembrou dos editais de novas áreas de arrendamento, da recuperação da sinalização náutica da hidrovia e das licenças operacionais obtidas junto à Fepam que colocam o Porto de Porto Alegre no caminho de um futuro ainda mais próspero.

 “O mês de fevereiro é uma boa demonstração do quanto as empresas continuam apostando no Porto de Porto Alegre e do quanto a Portos RS continua apostando firmemente na hidrovia e no cais comercial de Porto Alegre”, afirmou Estima.

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) começou o ano de 2024 com a marca de R$ 1 bilhão em contratações e 2.715 contratos fechados nos três estados do Sul, sendo 42% do número de contratos realizados em Santa Catarina (1.158 financiamentos). Nos dois primeiros meses do ano passado, o volume nos estados atendidos pelo banco foi de R$ 304 milhões, o que representa um crescimento de 228% na região de atuação. Em Santa Catarina, o resultado foi ainda mais expressivo. A movimentação em recursos contratados foi de R$301 milhões nos primeiros meses deste ano. No mesmo período de 2023, o valor operado em contratações chegou a R$ 44 milhões, o que representa um crescimento de 584%. O presidente do BRDE, João Paulo Kleinübing, atribui, entre outros fatores, a capacidade do banco em se aproximar das necessidades do mercado. “O BRDE tem buscado se estar presente, como um parceiro essencial para o desenvolvimento econômico e social do Sul do Brasil, vindo a contribuir para a criação de oportunidades, geração de trabalho e renda e renda”, ressalta. Entre os setores com mais contratações em Santa Catarina, estão a indústria com 38,7%, agropecuária com 33,53%, comércio e serviços com 18,2%, seguido de infraestrutura com 9,4%. O diretor de Acompanhamento e Recuperação de Créditos, Mauro Mariani, ressalta que “o BRDE promove a sustentabilidade, o empreendedorismo e a qualidade de vida das pessoas. Além do apoio aos grandes empreendimentos, também tem atuado junto ao micro e pequeno empresário, como recentemente fizemos com o Pronampe Emergencial SC”, cita. Das contratações com o BRDE, foram R$ 394 milhões financiados para empresas de grande porte, sendo destes, mais de R$ 150 milhões em Santa Catarina, seguido de financiamento para pequenos produtores rurais, que somou R$ 211 milhões, dos quais, R$ 56 milhões no estado. O superintendente da agência do BRDE em Florianópolis, Marcone Souza Melo, afirma que atingir esse volume expressivo em tão pouco tempo demostra a força do BRDE na região Sul. “Representa também a confiança dos nossos parceiros e de quem quer investir e crescer. Esperamos que a até o final deste ano continuemos a gerar ainda mais desenvolvimento”, afirmou.

A Logcomex, empresa que oferece tecnologia para o comércio exterior por meio de uma plataforma completa end-to-end, ajudando gestores a planejar, monitorar e automatizar o seu supply chain, tem uma série de vagas em aberto para profissionais de áreas diversas. Atualmente, a empresa conta com mais de 300 colaboradores e deseja aumentar o time.

De acordo com Helmuth Hofstatter, CEO e fundador da Logcomex, contar com uma equipe comprometida e talentosa é fundamental para o crescimento da empresa. “Sabemos também que, para inovar, ter uma cultura forte que possibilite um ambiente transparente e colaborativo é muito importante. Estamos recrutando profissionais que se encaixem nessa nossa forma de pensar e possam somar aqui dentro”, afirma. 

Além de salários competitivos, a Logcomex oferece diversos benefícios, como auxílio home office, inglês in company, vale cultura, gympass e outros. “Também proporcionamos horário flexível, massagem in company, day off de aniversário e várias outras coisas para nossos colaboradores”, conta Hofstatter.

A Logcomex fica em Curitiba e a maioria das vagas é para trabalho híbrido na sede da empresa, entretanto, também há oportunidades para trabalho em home office ou híbrido em algumas posições. 

Confira algumas das vagas disponibilizadas pela Logcomex:

  • Analista de Customer Success Pleno/Sênior (Importador)
  • Analista de Growth Marketing Sênior
  • Analista de Sales Enablement SR
  • Business Partner Sênior
  • Copywriter - Analista de Marketing PL
  • Estagiário de Controladoria
  • Sales Training Sr
  • Executivo de Vendas
  • SDR
  • LDR
  • BDR


Para ter acesso a todas as vagas e saber mais detalhes acesse: logcomex.gupy.io

 

Sobre a Logcomex

Criada em 2016, a Logcomex desenvolve soluções de tecnologia e oferece uma plataforma que auxilia as empresas no planejamento, monitoramento e automatização do supply chain global. A maior startup de comércio exterior do Brasil conta com aproximadamente 300 colaboradores, e está presente em mais de 11 países espalhados por cinco continentes.

A empresa oferece soluções como visibilidade em tempo real, eficiência na gestão de ponta a ponta da operação e informações estratégicas para negócios que atuam no comércio exterior. Para saber mais, acesse o site logcomex.com.  


Sobre Helmuth Hofstatter

Empreendedor Endeavor, co-fundador e CEO da Logcomex, estudou administração e comércio internacional, possui mais de 20 anos de experiência no segmento de logística internacional, tecnologia e comércio exterior. É especialista em gestão de produtos e apaixonado por desenvolver soluções voltadas ao universo do comércio exterior. Desde 2016 lidera a empresa e é diretamente responsável pelos times de Tecnologia.

SC amplia liderança na produção e exportação de carne suína em 2023

Um dos motores da economia catarinense, a indústria de proteína animal bateu novos recordes de produção de carne de frango e de suínos in natura em 2023. Os dados são da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais do IBGE, divulgados nesta quinta-feira (14) e levam em conta os abates de animais no estado no acumulado do ano passado.

Santa Catarina ampliou sua liderança no abate de suínos em 2023, com 29,5% do abate nacional. Foram abatidas mais de 16,9 milhões de cabeças, um aumento de 3,9% no comparativo com o ano anterior. O segundo lugar na produção de carne suína é do Paraná, com 21,2% do total produzido no Brasil, seguido pelo Rio Grande do Sul, com 17%.

Para o presidente da Federação das Indústrias de SC (FIESC), Mario Cezar de Aguiar, os números confirmam a força do parque agroindustrial catarinense e reforçam a necessidade de melhorias nas condições logísticas para o escoamento da produção e acesso aos insumos, especialmente na região Oeste. “Sem investimentos, corremos o risco de perder competitividade e ver esses números recuando. Não podemos deixar que SC perca a relevância mundial que tem no setor. A agroindústria é um grande patrimônio catarinense”, afirmou.

Nas exportações de carne suína, o estado também ampliou a liderança do  ranking, com aumento de 8,5% no volume exportado no acumulado do ano passado. Em 2023, Santa Catarina foi responsável por 55,5% das vendas brasileiras do produto ao exterior, o equivalente a 603,7 mil toneladas. China, Filipinas e Chile foram os principais destinos das exportações de carne suína in natura.

Frango

A produção de carne de frango in natura em Santa Catarina em 2023 correspondeu a 13,4% do total nacional, com abates alcançando 841,5 milhões de cabeças. O aumento na produção foi de 5,1% no ano passado.

O volume das exportações cresceu 8,9%, para 966,85 mil toneladas e atingiu 20,4% do volume total de carne de frango in natura vendido ao exterior pelo Brasil. O Paraná liderou o ranking das exportações, com 42,5% do volume total e o Rio Grande do Sul ficou em terceiro, com 14,7% das vendas externas de carne de frango in natura em 2023.

Brasil

Os dados do IBGE mostram que em 2023 foram abatidas 57,17 milhões de cabeças de suínos, um aumento de 1,3% em relação ao ano de 2022. O montante representa um novo recorde desde 1997, quando a série histórica começou. Também bateram recorde histórico as exportações de carne suína, com pouco mais de 1 milhão de toneladas vendidas ao exterior. China, Hong Kong e Filipinas foram os principais destinos das exportações brasileiras.

Em relação ao abate de frangos, o Brasil registrou aumento de 2,8% em 2023 em relação ao ano anterior. A produção de carne de frango in natura alcançou 6,28 bilhões de cabeças. As exportações cresceram 8,4%, para 4,37 milhões de toneladas, recorde histórico.

Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física começa nesta sexta

A partir desta sexta-feira (15), aqueles que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 30.639,90 em 2023 deverão fazer a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2024. O prazo termina às 23h59 do dia 31 de maio.

Ao declarar o IRPF, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC), Mário Cezar de Aguiar, comenta que o contribuinte tem a oportunidade de destinar parte do imposto a fundos de apoio a crianças, adolescentes e idosos de Santa Catarina. “A destinação é um ato de cidadania. Você não pagará mais imposto, nem terá sua restituição diminuída e ainda ajudará a promover a transformação social em nosso Estado”, frisa, em vídeo compartilhado pelas redes sociais.

Até 3% do imposto devido podem ser destinados aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente, e outros 3% aos Fundos dos Direitos da Pessoa Idosa. Eles financiam projetos que promovem e protegem os direitos de crianças, adolescentes e pessoas idosas. Existem em quase todos os municípios catarinenses.

Além do IRPF, a FIESC também incentiva o direcionamento do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) a projetos sociais desenvolvidos no Estado. Empresas que tributam por lucro real podem direcionar até 10% do imposto devido a projetos sociais de saúde, infância e adolescência, esporte, cultura, assistência a idosos e pessoas com deficiência.

No ano passado, projetos recomendados pela FIESC captaram R$ 16,7 milhões do IRPJ, um aumento de 64% frente aos R$ 10,2 milhões captados em 2022. A cada ano, se todas as empresas de Santa Catarina habilitadas fizessem a destinação, cerca de R$ 250 milhões poderiam ser aplicados em projetos sociais do Estado.

Fecomércio divulga pesquisa de intenção de compras para a Páscoa

A pesquisa de intenção de compra para a Páscoa de 2024 apontou avanço na intenção de gasto médio dos consumidores de 34,5% frente ao ano anterior. Assim, a expectativa de gasto dos catarinenses será de R$ 228,42, o maior valor da série histórica. Em termos reais, ou seja, considerando a inflação acumulada nos últimos doze meses, essa intenção de gasto é 28,7% superior a de 2023, indicando que, de fato, os consumidores desejam comemorar a data comprando mais do que no ano passado.

As famílias catarinenses vêm com a melhor percepção de situação financeira da série histórica. 42,7% dos entrevistados declararam estar em situação financeira melhor do que no ano passado, 41,7% em igual situação e 15,5% indicaram estar em situação pior. A rigor, tal indicativo reforça a boa perspectiva para a data.

Câmara aprova projeto que viabiliza isenção do IR para quem ganha até dois salários mínimos

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (12) projeto de lei que viabiliza a isenção do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF) de valores até dois salários mínimos (R$ 2.842,00). A medida consta do Projeto de Lei 81/24, que será enviado ao Senado.

De autoria do líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), o projeto incorpora o texto da Medida Provisória 1206/24 sobre o mesmo tema.

O texto aprovado em Plenário é um substitutivo do relator, deputado Emanuel Pinheiro Neto (MDB-MT), que exclui trecho não constante na MP sobre permissão dada ao Poder Executivo para atualizar por decreto a tabela progressiva mensal do IRPF a partir de 2025 a fim de manter a faixa com alíquota zero igual a dois salários mínimos.

O projeto segue assim a redação igual à constante da MP, que tem força de lei e já está em vigor, prevendo isenção para rendimentos de até R$ 2.259,20 após a dedução do desconto simplificado de R$ 564,80 do valor de dois salários (R$ 2.824,00 menos R$ 564,80).

Embora o objetivo seja a isenção para essa faixa de rendimentos, a correção da primeira faixa também influencia os descontos no cálculo do imposto nas demais faixas de rendimento em função da progressividade da tabela. "Todo mundo que paga Imposto de Renda no Brasil será beneficiado por essa medida", disse o deputado Alencar Santana (PT-SP), vice-líder do governo, que relatou as mudanças do projeto no Plenário.

O reajuste da tabela passou a valer pela MP a partir de fevereiro deste ano e tem impacto orçamentário calculado em R$ 3,03 bilhões em 2024, de R$ 3,53 bilhões em 2025 e de R$ 3,77 bilhões em 2026.

Valor da isenção

Parlamentares da oposição criticaram o que classificaram como "estelionato eleitoral" da proposta, pois o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu isenção até R$ 5 mil durante a campanha para a Presidência de 2022. O deputado Lindbergh Farias (PT-RJ) ressaltou, no entanto, que até o final do governo haverá isenção de R$ 5 mil.

Segundo o deputado Cabo Gilberto Silva (PL-PB), vice-líder da oposição, o governo traz uma “medida pífia” ao conceder a isenção abaixo da promessa eleitoral. Parlamentares da oposição chegaram a apresentar uma sugestão de mudança no projeto para ampliar a isenção, mas o texto foi mantido.

Já o deputado Bohn Gass (PT-RS) lembrou que, na campanha de 2018, o ex-presidente Jair Bolsonaro prometeu cinco salários mínimos de isenção no Imposto de Renda (o equivalente a atuais R$ 7.060) e não cumpriu a promessa.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Aeroporto de Florianópolis terá rota cargueira para a Europa

A partir de abril, Florianópolis passará a contar com uma rota aérea de carga para a Europa. O anúncio foi feito pela Latam Cargo e pelo Floripa Airport na Intermodal South América 2024, evento realizado em São Paulo até esta quinta (07). A rota será operada duas vezes por semana em aeronaves cargueiras Boeing 767-300F, com capacidade para mais de 50 toneladas.

O anúncio não especificou o aeroporto de destino no continente europeu, pois ainda depende da confirmação de slots.

Segundo a Latam Cargo, a nova rota irá agilizar o transporte de fármacos, cargas gerais, automotivas e peças de reposição em voos diretos entre as duas regiões.

Com a nova operação, o aeroporto de Florianópolis chegará a seis rotas internacionais de carga por semana. Além desta nova linha, a Latam Cargo já conta com três voos semanais para Miami, mesmo destino que é operado pela Avianca Cargo com um voo semanal.

Vendas de automóveis em Santa Catarina têm crescimento de 4,97% em fevereiro

A Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores de Santa Catarina (Fenabrave-SC), representante de 554 concessionárias no estado, divulgou o desempenho do setor automotivo em fevereiro de 2024.

Em fevereiro, foram licenciadas 15.704 unidades, contra 14.960 em janeiro, um crescimento de 4,97%.

Comparando o 1º bimestre de 2024 com o mesmo período de 2023, observa-se um aumento de 26,74% nas vendas.

Em relação a fevereiro de 2023, o crescimento foi de 30,80%.

Máquinas agrícolas

 Os dados de Tratores e Máquinas Agrícolas apresentam defasagem de um mês, pois dependem de levantamento junto aos fabricantes.

Em janeiro de 2024, houve uma queda de 42,94% em relação a dezembro de 2023 e 42,63% em relação a janeiro de 2023.

Segundo o diretor regional da Fenabrave-SC, Alfredo Breitkopf, o aumento de vendas em fevereiro foi expressivo, especialmente considerando os 19 dias úteis contra 22 em janeiro.

Se computadas as vendas por dias úteis, o incremento em fevereiro foi de quase 22%.

Ainda segundo Breitkopf, há expectativa de melhora no ambiente de oferta de crédito, projetando um ano positivo de vendas.

Os dados do primeiro bimestre, com aumento de 26,74% sobre 2023, demonstram essa perspectiva.

Hoje, segundo Detran SC, a frota circulante em Santa Catarina é de 5.987.436 veículos, sendo a maioria automóveis (3.261.241).

Fonte: Noticenter

Nova fronteira agrícola enfrenta dificuldades no escoamento da produção

A produção agropecuária bate recordes no Brasil, com o crescimento de 15,1% em 2023, o maior desde 1995, de acordo com o Ministério da Agricultura e Pecuária. O escoamento da produção, no entanto, ainda é um problema para o país. O transporte centrado no modal rodoviário, com carência de ferrovias e hidrovias, e a dificuldade de acesso aos portos, especialmente na metade norte do país, dificultam o escoamento e as exportações.

Dados da Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apontam que a soja e o milho, dois destaques na produção nacional, somaram, juntos, 286,5 milhões de toneladas em 2023. Grande parte da produção é proveniente das novas fronteiras agrícolas, acima do paralelo 16°S, que atravessa, na horizontal, do sul de Mato Grosso ao sul da Bahia. Para o agronegócio essa é a linha divisória de preferência de escoamento da safra de grãos.

Segundo a CNA, do total da safra de soja e milho, 197 milhões de toneladas foram produzidas na parte ao norte do paralelo, e 89 milhões na parte ao sul dessa linha. Quando se consideram as exportações, no entanto, a parte norte é responsável por 61,7 milhões de toneladas, contra 119,7 milhões de toneladas exportadas em portos da região ao sul.

— As regiões de novas fronteiras agrícolas envolvem o estado do Mato Grosso e o "Matopiba" [região formada pelo estado do Tocantins e parte dos estados do Maranhão, Piauí e Bahia], que têm tido um grande destaque como produtores. Nessas novas fronteiras agrícolas, que ficam no mapa acima do paralelo 16, são produzidos 69% de toda a soja e o milho, mas escoamos pelos portos do Arco Norte, que vão do Amazonas até a Bahia, somente 34% — disse a assessora técnica da CNA Elisangela Pereira Lopes.

A assessora da CNA foi uma das participantes de audiência pública feita pela Comissão de Agricultura (CRA) na quarta-feira (6) para discutir os desafios para o escoamento da safra brasileira nos próximos anos. O debate foi requerido pelo senador Jaime Bagattoli (PL-RO), vice-presidente da comissão.

— Se nada for feito nos próximos dez anos, o Brasil já entrará em colapso porque nós não temos condições. (...) É muito difícil para nós produtores, porque além de nós estarmos preocupados "da porteira para dentro", temos que estar preocupados "da porteira para fora" — disse o senador.

Portos

Em 2013, o Congresso aprovou a medida provisória que deu origem à Lei dos Portos (Lei 12.815, de 2013). A principal mudança da lei foi a possibilidade de concorrência entre portos públicos e terminais privados. Dois anos depois, em 2015, começaram os leilões, que, segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), somaram 48 até 2023.

20240308_escoamento_safra_2a.jpg

A agência é responsável por regular, supervisionar e fiscalizar as atividades de prestação de serviços de transporte aquaviário e de exploração da infraestrutura portuária e aquaviária no país. 

Para o diretor da Antaq Alber Vasconcelos, não há gargalo logístico em relação ao número de portos no país. Ele afirmou que atualmente existem 162 instalações portuárias ao longo da costa brasileira.

— Foi muito feliz o legislador com o aperfeiçoamento da Lei 12.815, ao abrir a possibilidade de o setor privado — o empresário — investir no seu porto. Nós só conseguimos dar vazão a essa movimentação com as nossas autorizações nos portos privados, principalmente ali na região do Arco Norte, acima do paralelo 16, onde, em 2010, houve a movimentação de 11 milhões [de toneladas] e passamos para 100 milhões em 2023 — disse o diretor.

Outro aperfeiçoamento feito pelo Congresso em 2023 foi a ampliação, até 2028, do prazo do Regime Tributário para Incentivo à Modernização e à Ampliação da Estrutura Portuária (Reporto), previsto na Lei 14.787, de 2023. O Reporto prevê incentivos fiscais para investimentos em portos, como compra de máquinas e equipamentos. Esse regime especial permite que os beneficiados comprem equipamentos com desoneração de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), PIS e Cofins e Imposto de Importação (II).

 

Hidrovias

A dificuldade de escoamento de parte da produção do país também é resultado de problemas com as vias de acesso aos portos. Foi o que ocorreu neste verão, com a seca severa que assolou os principais rios da região amazônica. O problema climático interrompeu o tráfego nos rios e parte da carga teve que ser desviada para o Sul e o Sudeste, gerando insegurança para produtores e investidores.

— A gente tem que olhar também, ter essa visão, de que a logística não significa simplesmente o porto. Eu tenho que chegar até o porto, então tem que ter os acessos. E não é só o rodoviário e o ferroviário, é o acesso aquaviário. Se você pegar os grandes países, os desenvolvidos, a matriz é basicamente 30-30-30, então você tem 30% na rodovia, 30% na ferrovia e 30% nas hidrovias. Hoje, aqui no Brasil, a parte hidroviária não ultrapassa 10% — disse o diretor da Antaq, segundo o qual já está em estudos a implantação de novos de trechos de hidrovias no país.

A gerente técnica da Associação de Terminais Portuários Privados (ATP), Ana Paula Gadotti, afirma que é preciso investir em infraestrutura aquaviária, com levantamentos hidrográficos periódicos, gestão do tráfego, manutenção e sinalização náutica, além de implantação de estruturas de primeira resposta para incidentes ambientais, especialmente a Barra Norte do Rio Amazonas.

— Uma outorga hidroviária na região faria muito bem e poderia dar conta de todas essas obras e investimentos  no local, para maior segurança da navegação dos navios que acessam nossos portos, das instalações portuárias e da carga do agronegócio principalmente — disse a representante dos portos privados.

 

Rodovias

Os problemas das rodovias que deveriam garantir o acesso aos portos também contribuem para a dificuldade do escoamento da safra. Um exemplo do entrave é a BR 163, que corta o Brasil de Norte a Sul e é um dos principais corredores logísticos do Arco Norte, responsável pelo escoamento de mais de 20 milhões de toneladas por ano, segundo a ATP.

20240308_escoamento_safra_2b.jpg

Ana Paula Gadotti explica que a concessionária Via Brasil, responsável pela rodovia na parte que liga Mato Grosso ao Pará, tem como obrigação, por contrato, executar os acessos até as regiões dos terminais portuários às margens do Rio Tapajós. A concessionária, no entanto, não apresentou um cronograma detalhado para a execução dos acessos a dois portos. Apenas o acesso ao terminal de Mirituba está em andamento pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

— Os dois acessos para Santarenzinho e para Itapacurá ainda estão indefinidos, e a gente precisa de uma definição para poder ter essa segurança e essa previsibilidade no escoamento da carga. O que a gente sabe, de última informação, é que a concessionária ainda não apresentou o cronograma detalhado que tenha previsão de investimento nesses dois últimos trechos — disse.

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), "houve uma melhora significativa nas rodovias brasileiras". No Arco Norte, as principais ações foram a melhoria da malha rodoviária e a intensificação e conclusão de obras estruturantes.

— Se levarmos em consideração só os corredores do agro, os principais investimentos, chegamos, em 2023, a um investimento de R$ 3,6 bilhões liquidados, contra R$ 1,98 bilhão em 2022. Nossa perspectiva para 2024 é alcançar R$ 4,7 bilhões nesses corredores — disse o diretor-geral do Dnit, Fabricio Galvão.

Outro resultado apresentado pelo órgão é a melhora do ICM, índice que mede a conservação e a manutenção das rodovias. O índice é calculado a partir de levantamento de campo, feito mensalmente pelo Dnit, e leva em conta aspectos da pavimentação e da conservação. De acordo com o diretor, no Arco Norte, o índice de rodovias com qualidade boa subiu de 52% em 2022 para 80% em 2023, um aumento de 2 mil quilômetros.

 

Ferrovias

Para o senador Wellington Fagundes (PL-MT), grande parte da produção ainda se perde nas rodovias não só por ineficiência na manutenção, mas também pela quantidade de acidentes. O senador defendeu o desenvolvimento do modal ferroviário e destacou a construção da primeira ferrovia estadual, em Mato Grosso.

— É a primeira ferrovia por autorização estadual do Brasil, e tudo isso só foi possível porque nós aqui aprovamos o marco regulatório das ferrovias, do qual todos nós participamos. Essa ferrovia está avançando de Rondonópolis rumo a Cuiabá, e também com outro ramal chegando até Lucas do Rio Verde — comemorou.

O Marco Legal das Ferrovias, citado pelo senador, foi aprovado pelo Congresso em 2021, para permitir à União autorizar a exploração de serviços de transporte ferroviário pelo setor privado em vez de usar concessão ou permissão. Alguns trechos vetados pelo então presidente Jair Bolsonaro foram retomados pelo Congresso em 2023, após a derrubada dos vetos.

A senadora Margareth Buzetti (PSD-MT) afirmou que é preciso ter todos os modais funcionando para que o agronegócio tenha condições de trabalhar. Ela criticou a suspensão, pelo Supremo Tribunal Federal (STF), do projeto da Ferrogrão, ferrovia que ligará Sinop (MT) ao distrito de Miritituba (PA). A ferrovia é considerada uma importante via para escoar a produção agrícola do Centro-Oeste até os portos do Norte. 

— Eu não quero que este país não dê certo, mas, às vezes, a gente fica até com dificuldade de acreditar quando vê esse tipo de coisa: o STF impedindo o estudo da Ferrogrão. Nós vamos ver outros entraves aí, mas temos que, com garra, com determinação, enfrentar — disse a senadora.

A decisão sobre a continuidade do projeto é esperada para o fim de março.

 

Porto Itapoá tem um novo Diretor de Desenvolvimento de Negócios e Experiência do Cliente

Felipe Fioravanti Kaufmann, 40 anos, é formado em Logística pela Univali (Universidade do Vale do Itajaí) e tem pós-graduação em Gestão Empresarial pela FGV. Atuou 20 anos no Grupo Maersk, sendo 10 anos na APM Terminals, na área comercial e de atendimento aos clientes em Itajaí (SC) e Pecém (CE).

“Meu propósito é consolidar e reforçar a cultura, a proposta de valor e a missão da empresa aproveitando esse momento favorável de investimentos. Vim para apoiar a alta direção e todo o time do Porto Itapoá buscando resultados e o crescimento sustentável para o Terminal”, afirma Kaufmann.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt