terça, 23 de abril de 2024
30/06/2023 16:44

Economia catarinense registra o maior crescimento do país em abril

Resultado tem contribuição da produção industrial, com a expansão dos setores de produtos de borracha e material plástico, de alimentos, automotivo, entre outros

A atividade econômica de Santa Catarina registrou a maior expansão entre os estados do Brasil, com crescimento de 2,9% em abril, em relação a março, na série livre de efeitos sazonais. Segundo análise do Observatório FIESC, a média nacional aumentou 0,6%, no mesmo período. O desempenho positivo no quarto mês do ano foi incentivado, principalmente, pela agropecuária e pela indústria.

“A produção industrial catarinense se destaca por sua importante contribuição para a economia brasileira, que lidera o crescimento da atividade econômica em abril, seguida pelo Pará, Bahia e Espírito Santo. Esse rendimento demonstra a importância da diversidade produtiva catarinense para a manutenção do crescimento econômico. Além disso, o desempenho está relacionado à qualidade dos produtos, à competitividade industrial e à forte integração internacional”, destaca Mario Cezar de Aguiar, presidente da FIESC.

O setor de produtos de borracha e material plástico foi o que mais cresceu na indústria em abril, com 6,8%. Esse resultado está atrelado ao aumento da demanda interna por embalagens plásticas, principalmente impulsionada pela indústria alimentícia. Além disso, houve crescimento de 2,4% no setor de alimentos, com forte influência do bom momento do agronegócio, tanto no abate de aves e suínos, como também nas safras de grãos, como soja, aveia, feijão e trigo. A atividade agropecuária tem sido incentivada pela melhoria nas condições climáticas e pelo barateamento de insumos, além da demanda crescente no mercado externo.

As vendas internacionais estimularam, também, a produção de equipamentos elétricos (6,4%) e a indústria automotiva (6,2%). Apesar do crescimento na indústria, outros setores catarinenses apresentaram queda na atividade econômica, com destaque para os serviços, que recuaram 3,5%. 

No comércio, apenas as vendas no setor de tecidos, vestuário e calçados apresentaram aumento de 3,6% em abril. “No comércio varejista ampliado, os maiores impactos negativos se deram na venda de combustíveis e lubrificantes (-5,2%) e veículos, motocicletas, partes e peças (-3,9%). Essa última atividade vem sendo prejudicada, em especial, pelo encarecimento do crédito na economia, devido ao elevado nível da taxa de juros”, explicou Marcelo de Albuquerque, economista do Observatório FIESC.
 




Últimas Notícias

Notícias

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt