domingo, 07 de março de 2021
26/11/2020

Governadora alinha diretrizes para desenvolvimento econômico do Estado


A governadora Daniela Reinehr recebeu o novo secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Henry Quaresma, e o adjunto Luiz Eduardo Santos para as primeiras diretrizes e alinhamento de gestão. O encontro ocorreu na residência oficial, nesta quarta-feira, 25.

“Recebi com satisfação, o secretário Henry Quaresma, para um alinhamento de expectativas sobre o trabalho a ser realizado. Com a sua ampla experiência junto ao setor econômico, o secretário traz ações prioritárias de reconexão da pasta com os agentes econômicos de Santa Catarina e com entes nacionais estratégicos para fortalecer o nosso estado. Tenho certeza de que teremos uma atuação produtiva e que irá se reverter ao fortalecimento do ambiente de negócios”, destaca Daniela Reinehr.

Com um perfil empreendedor, na área de alta gestão e desenvolvimento de negócios, Quaresma destacou a importância da reconexão da Secretaria com os agentes econômicos do Estado e reforçou a importância da integração com as entidades. Frisou ainda a importância da análise e da prevenção de riscos econômicos para antecipação das ações. Sobre o convite da governadora para assumir a pasta concluiu: “Foi uma boa surpresa, gostamos de desafio e temos intenção de colaborar”.

Com a missão de alavancar investimentos, buscará o fortalecimento das ações e dos incentivos. “Temos as diretrizes do Governo na área do desenvolvimento econômico que serão seguidas. Estamos tomando conhecimento das atividades, juntamente à equipe, muito qualificada e, muito em breve teremos as ações alinhadas. Certamente, o potencial de interação com o setor econômico no Estado e de apoio às novas iniciativas econômicas para criar uma condição mais segura na economia catarinense são positivas e a Secretaria, terá um papel importante nesta missão do Governo do Estado”, ratifica Quaresma.

Atração de investimentos

Natural de Tubarão, no Sul do Estado, Henry Quaresma tem ampla bagagem profissional no desenvolvimento de negócios internacionais, governança, relações empresariais e institucionais. Atuou como CEO da Brasil Business Partners, sendo membro da Câmara Brasileira de Comércio Exterior da Confederação Nacional do Comércio (CNC) e membro do Conselho de Administração da Associação de Comércio Exterior do Brasil-AEB.

Por 23 anos atuou como diretor de Relações Industriais e Institucionais da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), além de ter coordenado mais de 90 missões empresariais para 50 países. Graduado em Engenharia Química pela Universidade do Sul do Estado de Santa Catarina (Unisul), possui MBA em Administração Global pela Universidade Independente de Lisboa, Especialização em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas.

Mercado Financeiro

Focado no mercado financeiro, o novo adjunto da SDE, Luiz Eduardo Santos chega novamente à pasta para agregar em ações de fomento e fortalecimento da economia, bem como, atração de empresas. Santos atuou como diretor administrativo na iniciativa privada e como gerente de Apoio ao Investidor na própria SDE, onde fazia a conexão entre Estado, empresas e investidores, também apresentava os programas de incentivos como o Prodec, que há mais de três décadas contribuiu para o desenvolvimento do Estado.

“Santa Catarina tem um povo resiliente com uma grande capacidade de recuperação. Estamos entrando na Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, na qual eu já tive a oportunidade de trabalhar, e agora nesta nova empreitada contribuindo junto ao secretário da SDE, que tem uma larga experiência na atração de novos negócios. Nossa missão é trabalhar no fomento de investimentos, mais empregos e maior arrecadação para o Estado. Com um realinhamento e uma aproximação maior com todas as entidades e setor produtivo, vamos construir um trabalho integrado e colocar Santa Catarina no trilho do desenvolvimento econômico”, enfatiza Santos.



Blog

PIB 2020: o que esperar da economia em 2021?

Os dados do PIB 2020 foram divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e o que era esperado pelo mercado foi confirmado: houve uma queda de 4,1% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro. Mas o que isso significa? Como impacta nossas vidas? O PIB mede o crescimento econômico. Quando falamos em crescimento, é importante ter em mente que estamos nos referindo à soma do que é produzido internamente em nosso país em termos monetários. Desse modo, esse indicador reflete o tamanho da nossa economia. 

Assim, o dado divulgado, nos mostra que em termos monetários, nossa economia sofreu uma queda de 4,1% em relação ao ano de 2019. Essa situação não é uma surpresa, pois, mesmo antes da pandemia, esperava-se que a economia brasileira sofreria uma retração econômica. Entretanto, a pandemia veio para reafirmar e piorar ainda mais a situação da economia brasileira, pois diminuiu o ritmo das atividades econômicas.  

Mas, e como se comportaram os três grandes setores da nossa economia? Todos sofreram queda? O setor industrial retraiu 3,5%, o que representa a queda mais intensa nos últimos cinco anos. Em termos industriais, o setor de construção civil e a indústria de transformação, foram as áreas da indústria que tiveram o pior desempenho em 2020. 

O setor de serviços, que de modo geral, é o que mais contribui para o crescimento do PIB, foi o que sofreu uma queda maior, retraindo 4,5% em relação ao ano anterior. Com a diminuição da circulação de pessoas, o comércio se viu de portas fechadas, gerando uma queda das vendas, fechamento de estabelecimentos e um maior nível de desemprego nesse setor. Além disso, os serviços prestados às famílias e os transportes, armazenagem e correio foram os serviços mais impactados no ano passado. Aqui, é importante mencionar que, apesar de ser considerado um valor baixo, o auxílio emergencial fornecido para as famílias mais afetadas com a pandemia, corroborou para que o resultado desse setor não fosse ainda pior, o que pode nos mostrar a relevância da continuidade desse auxílio em 2021. 

Por outro lado, se o setor de serviços e a indústria sofreram queda em 2020, o desempenho do agronegócio seguiu um caminho oposto, apresentando um aumento de 2,0% no ano de 2020, se comparado com o ano anterior. Tal fato, é reflexo, em grande medida, das nossas exportações. Câmbio altamente desvalorizado em conjunto com o fato de que, mesmo em crises, commodities e produtos de primeira necessidade continuam sendo demandados mundialmente, permitiram um saldo positivo desse setor no ano em que a economia brasileira apresentou uma queda de 4,1% no seu tamanho. 

Esses dados nos geram muitas incertezas em relação ao ano de 2021. O que sabemos é que, o Brasil precisa mudar o rumo e acelerar o processo de vacinação, pois enquanto isso, mortes estão acontecendo, pessoas estão sendo infectadas, demandando leitos hospitalares, nossos hospitais estão lotados e equipe médica sobrecarregada, e o brasileiro vive com dúvidas em relação o que deve ser feito: isolamento ou não? Não há uma unificação do discurso entre políticos do nosso país, o que dificulta ainda mais o estabelecimento de normas a serem seguidas pela população. O que sabemos é que, com esse resultado econômico, não estamos mais entre as 10 economias mundiais, o que não é um resultado favorável. Para além disso, se o leme do nosso barco não mudar e os ventos, digo, a equipe econômica e governo não tomarem medidas mais assertivas quanto à pandemia, aprofundaremos nossa crise entrando em uma recessão econômica profunda. 

Autora: Pollyanna Rodrigues Gondin é economista e professora da Escola de Negócios do Centro Universitário Internacional Uninter.

Porto Itapoá movimentou 440 mil contêineres em 2020

A retomada da produção industrial, somada ao crescimento do consumo no último trimestre de 2020, trouxe números positivos para a movimentação portuária brasileira. Foram vários os portos brasileiros que registraram recordes de movimentação, especialmente em novembro e dezembro.

Neste contexto, o Porto Itapoá, que chegou a movimentar apenas 4 mil contêineres de importação no mês de junho, chegou a 12 mil unidades por mês, em novembro e dezembro. Como comparação, nos três últimos meses de 2020 o Terminal recebeu 35 mil contêineres de importação, praticamente o dobro das movimentações do segundo e terceiro trimestre, representando crescimento de 10% em relação ao último trimestre de 2019.

Na exportação, contudo, houve estabilidade na movimentação, com média de pouco mais de 7 mil unidades movimentadas por mês.

Desde o início das operações, em junho de 2011, o Porto Itapoá sempre apresentou crescimento na movimentação ano a ano, finalizando 2020 entre os 5 maiores portos do País.

Complexo portuário da Babitonga é responsável pela maior movimentação em tonelagem do Estado de Santa Catarina

Quando consideramos a análise dos números de tonelagem abrangendo os complexos portuários de Santa Catarina, a Baía da Babitonga, que contempla os Portos de São Francisco do Sul e Itapoá, registra a maior movimentação do Estado. O complexo portuário da Babitonga representa 60% de todas as cargas (em tonelagem) que passam pelos portos catarinenses.

Esses números refletem diretamente no desempenho da economia da região. Recentemente o IBGE divulgou as cidades mais ricas do Sul do País, com Joinville ocupando a 3ª posição na região e a 1ª posição no Estado de Santa Catarina, com crescimento de cerca de 12% em relação ao ano anterior. O fluxo logístico e de comércio exterior, proporcionado pelos portos da Baía da Babitonga, são influenciadores diretos para esse desenvolvimento e, por consequência, para a geração de emprego e renda na região Norte catarinense.

Porto Itapoá lança seu novo site institucional e Portal do Cliente

Com a visão de ser líder em satisfação do cliente e inovação e buscando sempre a eficiência e a modernidade em seus serviços, o Porto Itapoá utilizou estes conceitos em seu novo site institucional (portoitapoa.com) e no novo Portal do Cliente (clientes.portoitapoa.com) que foram totalmente remodelados e entraram no ar nesta semana. O objetivo da reformulação desses dois ambientes é trazer mais facilidade para os clientes, parceiros e demais públicos de interesse.

Os novos site e Portal do Cliente são responsivos e podem ser facilmente acessados via celular. Os novos ambientes digitais do Porto Itapoá também já estão adequados à nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) referente às boas práticas e à governança no tratamento de dados pessoais.


No Novo Portal do Cliente os usuários contarão com as novas funcionalidades de módulo de faturamento on-line, agendamento de inspeção on-line, central de notificações e uma home page com muito mais interatividade. Já o novo site institucional traz muito mais modernidade e facilidade para navegação, mais intuitivo e prático para acesso às informações, acompanhando o mesmo padrão e identidade visual aplicada no novo Portal do Cliente.

Em caso de dúvidas sobre o novo Portal do Cliente o contato pode ser feito pelo email atendimento@portoitapoa.com

 

O Porto Itapoá

Sendo considerado um dos terminais mais ágeis e eficientes da América Latina, o Porto Itapoá é também um dos maiores e mais importantes do País na movimentação de cargas conteinerizadas, segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ). 

Situado no litoral norte de Santa Catarina, o Porto Itapoá está posicionado entre as regiões mais produtivas do Brasil, contemplando importadores e exportadores de diversos segmentos empresariais. Sua localização privilegiada, na Baía da Babitonga, proporciona condições seguras e facilitadas para receber embarcações de grande porte, uma tendência cada vez mais adotada na navegação mundial.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt