sexta, 12 de abril de 2024
05/02/2024

Soltar amarras para crescer


Escrito por Carlos Rodolfo Schneider - empresário

O Brasil vem crescendo muito abaixo do que poderia e deveria, já há muitos anos, com alguns esporádicos anos fora da curva. Motivo relevante é a baixa produtividade e reduzida competitividade da nossa economia, exceção feita especialmente ao agronegócio, onde temos expressivas vantagens comparativas internacionais. Uma série de fatores interligados explicam as nossas dificuldades de competir com economias mais dinâmicas nas demais cadeias de bens comercializáveis: alta carga tributária, baixa disponibilidade de poupança interna, baixa taxa de investimentos, infraestrutura precária, serviços públicos deficientes, excesso de burocracia, engessamento do orçamento público.

As despesas correntes, isto é, os gastos para manter a máquina pública, tem crescido nas últimas décadas. Isso tem forçado o aumento da carga tributária, que passou da faixa de 25% do PIB na década de 1990, para 33% a 35% nos últimos anos. Além disso, levou a uma redução na taxa de investimentos de 25% para o intervalo de 15% a 18%. Investimentos em infraestrutura, fundamentais para que o país possa crescer, caíram de 5% do PIB para perto de 1%, o que não é suficiente nem para repor a depreciação do que aí está. Além disso, o governo em muitas ocasiões tem captado parcela relevante da poupança da sociedade para se financiar, o que pressiona a taxa de juros, outro importante componente do pesado Custo Brasil.

Para melhorar o ambiente de negócios no país, temos que continuar fazendo mudanças, reformas micro e macroeconômicas, que preparem o país a liberar-se da armadilha da renda média. Já fizemos importantes avanços com as reformas previdenciária e trabalhista, e temos agora uma grande oportunidade de avançar numa reforma tributária, mesmo que parcial, para simplificar a caótica estrutura de impostos. Necessário fazer o alerta para que se resista à pressão pelo aumento da carga tributária, e para a manutenção ou concessão de privilégios para segmentos ou agentes econômicos com maior capacidade de fazer lobby, levando a aumento de carga para os demais.

Muitas das amarras podem ser resolvidas com reformas infraconstitucionais, de mais fácil aprovação, a exemplo das já aprovadas Lei de Liberdade Econômica, independência do Banco Central e minirreforma política que restabeleceu a cláusula de barreira, privatização da Eletrobrás. Temos que aumentar o ritmo de ajustes, dada a ainda grande defasagem em relação às economias mais eficientes. A própria Reforma Tributária precisa ter uma segunda tranche de simplificações, e um importante esforço para redução da pesada carga de impostos, a mais elevada entre os países emergentes, que penaliza empresas e famílias no país. Isso requer que o Estado precise de menos recursos, isto é, que o gasto público seja mais eficiente. A tão aguardada Reforma Administrativa é um passo importante nessa direção, juntamente com medidas apenas gerenciais, que melhorem processos administrativos, preenchendo os cargos com quadros qualificados, cujo desempenho seja reconhecido por uma meritocracia de fato, ao contrário do que hoje acontece.

Outro ponto importante a enfrentar, apontado com frequência por analistas externos, é a falta de senso de urgência no Brasil, o hábito de procrastinar as mudanças necessárias. Como exemplo, a falta de regulamentação até hoje de vários artigos da importante Lei de Responsabilidade Fiscal editada no ano 2000. Como o artigo 67, que prevê a criação de um Conselho de Gestão Fiscal (CGF), que seria uma instituição fiscal independente, um xerife das contas públicas, composto por representantes da sociedade civil e do poder público, com a missão de orientar e vigiar tanto receitas como despesas públicas. É um instrumento que outros países, que têm uma boa equação fiscal, têm usado com sucesso para aumentar a eficiência do gasto público e por consequência reduzir o peso do Estado sobre a sociedade. O Movimento Brasil Eficiente (BEM) se empenhou para implantar o CGF ao propor a regulamentação do artigo 67 por meio do projeto de lei de autoria do então senador Paulo Bauer. Aprovado por unanimidade no Senado em 2015, o projeto sofreu alterações na Câmara dos Deputados, que eliminam os representantes da sociedade civil da sua composição, o que precisa ser revisto. Em reunião recente com o presidente da Câmara Arthur Lira, representantes das Federações da Indústria do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná formalizaram um pleito para a retomada do trâmite deste importante projeto de lei, com as necessárias readequações. Entendem as três federações que o poder público deve aprender a fazer mais com menos, para que também a sociedade consiga fazer mais, e especialmente o setor industrial, o mais dinâmico da economia, possa cumprir o seu potencial de contribuir com o desenvolvimento do nosso país.



Blog

O fim da CLT e o começo de um sonho

* Por Bruno Lima


As mudanças no comportamento do consumidor, aliadas à evolução tecnológica, continuam a remodelar o cenário econômico do Brasil. As tradicionais formas de ganhar dinheiro, como o emprego formal regido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), estão cada vez mais distantes. A segurança e previsibilidade, antes associadas a empregos tradicionais, estão se tornando conceitos do passado. 
Paralelamente, o setor de varejo e grandes varejistas enfrentam desafios significativos, exemplificados pelos recentes problemas financeiros de gigantes empresas, que apontam para uma certa incerteza do mercado atual.
Este cenário tem impulsionado um número crescente de pessoas a explorar novas formas de gerar renda, que promovem não apenas sustentabilidade e saúde financeira, mas também oferecem maior flexibilidade, rentabilidade e mobilidade. Essas alternativas representam uma ruptura com o modelo tradicional de emprego, permitindo que indivíduos estabeleçam suas próprias metas, horários e métodos de trabalho. Basta se preparar para surfar nessa onda lucrativa.
Uma dessas inovações é o day trade do mercado financeiro, uma prática que tem atraído atenção pela sua capacidade de gerar retornos importantes em um curto espaço de tempo. Exemplificando, há relatos de operadores que conseguem faturar até 1.200 dólares em apenas vinte minutos de operação diária. Esta forma de atuação no mercado de ações, embora requeira conhecimento, disciplina e estratégia, exemplifica o potencial das novas formas de ganhar dinheiro na era digital.
Essa transição para novas formas de trabalho e geração de renda não apenas reflete as mudanças no mercado de trabalho e na economia global, mas também responde ao desejo crescente por um estilo de vida mais flexível e autônomo. À medida que mais pessoas reconhecem e exploram essas oportunidades, é provável que vejamos uma transformação contínua nas noções tradicionais de trabalho, sucesso e segurança financeira.
Ganhar dinheiro representa uma evolução necessária e bem-vinda em resposta às limitações do modelo de trabalho tradicional e aos desafios enfrentados por setores como o varejo. Não se trata apenas de caminhos alternativos para a realização financeira, mas também enfatiza a importância da flexibilidade, inovação e autonomia.
As profissões convencionais já não garantem a segurança e a rentabilidade, por isso torna-se imperativo que as pessoas se preparem para abraçar novas carreiras. 
Vale lembrar que estas novas oportunidades, muitas vezes ancoradas na tecnologia e inovação, oferecem melhores retornos financeiros e a promessa de maior flexibilidade e satisfação pessoal. Para capitalizar estas oportunidades, é essencial que os indivíduos estejam dispostos a "virar a chave" e investir em seu próprio desenvolvimento profissional e habilidades.
A educação contínua e o aprendizado autodirigido são fundamentais. Com o acesso sem precedentes a recursos de aprendizagem online - desde cursos gratuitos a programas de certificação oferecidos por universidades renomadas e plataformas de educação online - nunca foi tão acessível adquirir novas competências ou aprimorar habilidades existentes. Áreas como programação, design digital, marketing digital, análise de dados e gestão de projetos oferecem caminhos promissores para aqueles dispostos a se adaptar e evoluir.
Além da aquisição de habilidades técnicas, o desenvolvimento do pensamento crítico, criatividade, gestão de tempo e habilidades interpessoais, torna-se igualmente crucial. Estas habilidades, muitas vezes referidas como "soft skills", são essenciais para navegar nas complexidades do trabalho freelance, empreendedorismo ou em qualquer profissão que exija um alto grau de autonomia e inovação. A capacidade de aprender continuamente e se adaptar rapidamente a novas situações é o que distinguirá os profissionais de sucesso no futuro - o chamado trabalho 4.0
A construção de uma rede profissional sólida e a participação ativa em comunidades relevantes da indústria podem abrir portas para oportunidades inesperadas. Networking, tanto online quanto offline, permite a troca de ideias, acesso a conselhos valiosos e até parcerias em projetos. A colaboração e o compartilhamento de conhecimento são fundamentais em economias baseadas na inovação, onde a velocidade da mudança é acelerada e o aprendizado coletivo se torna um ativo inestimável.
Finalmente, adotar uma mentalidade empreendedora - mesmo que você não planeje iniciar um negócio próprio - pode ser extremamente benéfico. Pensar como um empreendedor significa ser proativo, buscar soluções criativas para problemas, tomar iniciativas e estar sempre à procura de maneiras de melhorar e inovar. Esta mentalidade, combinada com as habilidades técnicas e transversais adequadas, preparará os indivíduos para prosperar em novas profissões que não apenas superam as convenções em termos de rentabilidade, mas também em termos de realização pessoal e contribuição para a sociedade.
 
Sobre o Método Nômade 
O Método Nômade oferece uma abordagem inovadora para o empreendedorismo financeiro, especialmente no contexto do Day Trade, uma prática conhecida por sua agilidade e rapidez. Sob a liderança de Bruno Lima, ele permite aos traders buscar lucros explorando as flutuações de preços de ativos em um único dia de negociação. 
A abordagem flexível e descentralizada possibilita que os operadores conduzam suas atividades de qualquer lugar, sem estarem presos a um ambiente físico fixo, proporcionando liberdade geográfica e uma nova perspectiva de trabalho.  O objetivo é transformar vidas, proporcionando independência financeira e a oportunidade de compartilhar mais momentos com a família, com a liberdade necessária para moldar seus próprios destinos. Para mais informações, acesse o instagram.com/metodonomade ou pelo site nomadedaytrader.com.br.
 
Sobre Bruno Lima
Bruno Lima é um empreendedor visionário e especialista no mercado financeiro, reconhecido como o CEO e fundador do projeto Método Nômade. Sua jornada é marcada por uma determinação incansável em busca de flexibilidade, rentabilidade e, acima de tudo, equilíbrio entre vida profissional e familiar. Como pai e marido dedicado, Bruno trilhou seu caminho em busca de uma carreira que permitisse mais tempo ao lado da família. 
Com uma base sólida em finanças e uma visão arrojada, ele lançou o Método Nômade, não apenas transformando sua própria trajetória, mas também capacitando e guiando outros indivíduos na conquista da independência financeira e na busca por um estilo de vida mais flexível e significativo. Sua missão vai além do sucesso pessoal, sendo uma fonte de inspiração e orientação para aqueles que buscam um novo caminho no universo das finanças e na construção de um futuro mais próspero. Para mais informações, acesse instagram.com/brunolimatrader.

 

Empresa com soluções em automação para a indústria frigorífica mira mercado internacional

Dados da Organização Mundial da Saúde estimam que, a cada ano, cerca de 600 milhões de pessoas em todo o mundo ficam doentes por consumir alimentos contaminados, resultando em 420 mil mortes. Não é à toa que a indústria de alimentos tem aumentado seus investimentos na produção, preparação e escala, e, assim, assegurar a ausência de quaisquer contaminantes.
Em Santa Catarina, a empresa DATEC, integrante do Grupo Soma Solution, tem se destacado na fabricação de esteiras equipadas com detectores de contaminantes. "Nós fabricamos esses produtos mediante encomendas da indústria, que são nossos clientes. Vale ressaltar que a DATEC tem a capacidade de personalizar a produção para atender às necessidades específicas de cada pedido", destaca Gustavo Müller Martins, Diretor Presidente do Grupo Solution.
 
Os detectores de metais conseguem identificar a presença de materiais metálicos. A tecnologia de Raio-X, considerada a técnica mais avançada para inspeção de alimentos, consegue localizar vidros, pedras, cerâmicas, plásticos densos e outros resíduos provenientes do processo industrial. A identificação minuciosa é bastante rápida, permitindo a remoção imediata dos produtos comprometidos na linha de produção, de forma automática.
"Quando falamos dos detectores de contaminantes, incluindo os de Raio-x, estamos nos referindo a algo muito mais abrangente: uma ferramenta que trabalha em prol da segurança alimentar das pessoas, algo que é de interesse para marcas que valorizam o consumidor, pensando na saúde e bem-estar. E sempre valorizando no mercado a marca do produto", destaca Martins.
Com distribuição em todo o país e detentora de produtos próprios, como afiadores de facas para frigoríficos e rotuladores, a DATEC mira novos horizontes e neste ano de 2024, deve iniciar o processo de exportação de suas soluções em máquinas e dispositivos especiais. "Com isso, buscamos aumentar a visibilidade da DATEC e participar de feiras e eventos internacionais", adianta o Diretor Presidente.
Além disso, ao avançar nesse projeto, a DATEC contribuirá para aumentar o percentual ainda modesto de empresas brasileiras que exportam. O estudo "Perfil das Firmas Exportadoras Brasileiras", divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), revela que menos de 1% (0,88%) das empresas ativas no país comercializam seus produtos além das fronteiras.
"Essa é a nossa intenção: buscar mercados fora do Brasil, representar o país e impulsionar o setor de equipamentos. Atualmente, o Brasil adquire muitos equipamentos do exterior, e a ideia é destacar o que temos aqui", afirma o Diretor Presidente.


SOBRE A SOMA SOLUTION
Além da DATEC, o Grupo Soma Solution integra outras duas grandes marcas: a SomaFlux, formada por especialistas em vendas e manutenção de compressores de ar, sopradores e bombas de vácuo; e a Soma Solution propriamente dita, que oferece soluções utilizadas por linhas de produção industrial dos mais variados segmentos, abrangendo detector de contaminantes e checadores de peso; sistema de visão e leitores de código; gravação, codificação industrial e automação. Além de Chapecó, Curitiba e Valinhos, o grupo dispõe de unidades em São Leopoldo (RS), Joinville (SC), Toledo (PR) e Maringá (PR).
Mais informações em https://www.datec.ind.br/ e https://www.somasolution.com.br/.

 

Seu Cliente Oculto abre mais de 150 vagas em Santa Catarina

Fazer uma renda extra é a realidade de mais de 60 milhões de brasileiros, de acordo com dados do Instituto Cidades Sustentáveis, que avalia a rentabilidade no país. E uma atividade que tem crescido no mercado é a de cliente oculto – um consumidor comum, contratado por uma empresa para avaliar o atendimento e a qualidade de seus produtos e serviços. Só em Santa Catarina, são mais de 150 vagas abertas este mês, entre os setores de alimentação, estética, varejo e outros.

Quem oferece as vagas é a Seu Cliente Oculto, primeira startup do segmento no país. De acordo com Bruno Vasconcelos, fundador da empresa, cada colaborador pode receber até R$250 reais por avaliação. Atualmente, são mais de 50 cidades com oportunidades em aberto, desde a capital Florianópolis, até munícipios do interior do Estado, como Navegantes e Chapecó.

 

  1. Quem pode ser um cliente oculto?

Qualquer um pode se tornar um cliente oculto: homens, mulheres, jovens (a partir de 18 anos) e idosos. O único requisito é ter um celular com câmera, caso haja a necessidade de fotografar, filmar ou gravar algo. Mas no geral, a característica necessária de um avaliador é a neutralidade. Ele precisa julgar o atendimento, o produto e o espaço de acordo com a experiência que teve, através de um olhar mais externo.

  1. Quanto posso faturar por avaliação?

Existem duas formas de bonificação: reembolso ou pagamento por serviço. No primeiro caso, o cliente oculto tem um valor para gastar no estabelecimento, que é reembolsado após a avaliação. Já o pagamento é como uma renda extra que ele ganhará depois de apresentar suas conclusões. Esses valores podem variar entre R$35 até R$250.

  1. Que tipos de serviços eu vou avaliar?

Você pode escolher quais produtos e serviços quer avaliar. As avaliações vão desde consultórios médicos até restaurantes, dependendo da disponibilidade de vagas na sua região. A plataforma oferece uma gama abrangente para expressar suas opiniões e contribuir para a comunidade. Além disso, ao participar ativamente das avaliações, você pode ajudar outras pessoas a fazerem escolhas e aprimorar constantemente a qualidade dos serviços oferecidos.

 

  1. Como faço para me inscrever?

O processo de cadastramento é simples e rápido, dependendo de cada plataforma. No caso da Seu Cliente Oculto, basta inserir algumas informações básicas para encontrar as vagas que melhor se encaixam em seu perfil. É importante destacar ainda a facilidade de agenda, pois as visitas podem ocorrer no dia e horário que o cliente oculto preferir. Atualmente, a Seu Cliente Oculto conta com cerca de 1300 vagas abertas, em todos os estados brasileiros.

 

O mercado de avaliação anônima movimenta cerca de R$18 milhões por ano, e você pode aproveitar esse ramo para ganhar dinheiro enquanto se diverte. Então, por que não transformar suas opiniões em uma fonte de renda e ao mesmo tempo descobrir novos lugares e experiências na sua região?

Mais informações em https://seuclienteoculto.com.br/seja-cliente-oculto/;

 

Grupo Koch é a 10a maior rede supermercadista do Brasil

Em relatório divulgado pela Associação Brasileira de Supermercados (Abras), na noite de segunda-feira (8), o Grupo Koch aparece como a 10a maior rede supermercadista do Brasil e a primeira de Santa Catarina, subindo três posições em relação ao ano passado – a empresa que mais subiu no ranking no top 15. De acordo com a metodologia da Abras, que considera o faturamento de 12 meses de todas as lojas em 2023, o Grupo atingiu R$ 7,9 bilhões em vendas. O levantamento, que é realizado há 47 anos e é a principal referência do setor no Brasil, reúne as 30 maiores empresas do segmento do país, de Norte a Sul. Os dados foram publicados em cerimônia realizada em São Paulo, no Transamérica Expo Center, durante o Smart Market 2024, encontro do setor que reúne as lideranças do varejo alimentar. O Grupo também aparece no ranking entre as cinco empresas do segmento que mais geraram emprego em 2023, contratando 1.884 pessoas.

O CEO do Grupo Koch, José Koch, pontua que é 'uma satisfação imensa' fazer parte da seleta lista dos 10 maiores grupos supermercadistas do Brasil, já que o ranking  reconhece as maiores empresas de um dos setores mais fortes, dinâmicos e representativos da economia nacional. "Essa notícia vem justamente no momento em que estamos comemorando 30 anos. O objetivo era chegar no top 10 até 2028, e já recebemos esse presente maravilhoso agora. O Grupo Koch, desde a inauguração da primeira loja, em Tijucas, nunca parou de crescer e isso se deve ao nosso planejamento estratégico, que proporciona crescimento sustentável, e também aos nossos colaboradores, um time de 10 mil pessoas que se dedica todos os dias para entregar o melhor aos nossos clientes”, diz. 

O Grupo Koch  está presente hoje em mais de 30 cidades em Santa Catarina, com 67 lojas, das marcas Komprão e SuperKoch. Os dados apontados pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras, em parceria com a NielsenIQ, mostram ainda que todo o setor faturou mais de R$ 1 trilhão no país em 2023, o que representa 9,2% do PIB, além de ter gerado 5,5 milhões de empregos.

 

Saiba mais sobre o Grupo Koch

Empresa familiar fundada em 1994, em Tijucas, o Grupo Koch está presente hoje em 33 cidades de Santa Catarina. Destaca-se pela alta qualidade do hortifrutigranjeiro e das carnes frescas. Possui 67 lojas do Planalto Norte ao Sul catarinense, gera 10 mil empregos e tem o certificado internacional Great Place to Work. Conta também com um Centro de Distribuição e uma sede administrativa em Tijucas e um Centro Administrativo e Comercial em Itapema. 

C&A inaugura loja no Itajaí Shopping com soluções digitais e novo formato clean e intuitivo

A C&A Brasil dá continuidade ao seu plano de expansão e atinge o marco de 331 lojas físicas no país com a inauguração, em 18 de abril, da C&A no Itajaí Shopping. A abertura faz parte da estratégia de negócios da marca, que visa a expansão de novos formatos de lojas, lançamento de serviços digitais e soluções omnicanais, além da aceleração da transformação digital da companhia para atender aos novos hábitos de consumo.

 

A C&A do Itajaí Shopping conta com um espaço de 1.915,38m2 e reforça a presença da marca em Santa Catarina, oferecendo uma plataforma de expressão democrática por meio da moda. A nova loja está instalada em um ambiente moderno, seguindo um novo formato mais clean e intuitivo da marca, além disso, oferece uma ampla variedade de produtos, como roupas (femininas, masculinas e infantis), acessórios, linha esportiva ACE e calçados.

 

A nova C&A seguirá o mesmo horário de funcionamento do empreendimento. De segunda a sábado, das 10h às 22h, e aos domingos e feriados das 14h
às 20h. Ao total, mais de 20 pessoas foram contratadas para esta unidade, que traz tecnologia, inovação e uma excelente experiência de compra. 

 

Itajaí nas paredes     
Uma das inovações é o provador da loja com a pintura da artista Mariana Ferret, que mescla sua identidade visual, ambientando suas personas na paisagem local. Itajaí é cercada de praias e belezas naturais e a arte traz elementos da cidade, fazendo alusão a frases presentes no hino municipal, como: “bem-vindo a terra do sol e mar, das praias e belas sereias”.

 

Serviços e soluções digitais e omnicanais  
Com o propósito de tornar a jornada de compra ainda mais dinâmica e melhor atender aos clientes de Itajaí e região, a nova loja conta com modelo operacional chamado Ship From Store – funcionalidade logística que, embora não seja perceptível aos consumidores, vem apoiando, cada vez mais, a operação da marca. Por meio desta modalidade, a C&A utiliza o estoque de loja local para atender com mais agilidade os pedidos realizados em seu e-commerce e aplicativo na região. Na prática, ao invés da compra sair do centro de distribuição da varejista, ela sai da própria loja, otimizando o prazo de entrega. 

 

Outro ponto de contato entre a marca e o cliente é o atendimento via WhatsApp. A plataforma é um canal exclusivo de atendimento e de apoio para as compras via e-commerce, já que ao contatar o consultor os clientes podem tirar dúvidas e pedir ajuda para encontrar um produto no e-commerce.          

Além disso, a nova loja será inaugurada com as três modalidades do Clique & Retire – serviço omnicanal – que oferece a possibilidade dos clientes realizarem a compra online e retirá-la em loja física. Os consumidores contarão com o formato tradicional do Clique & Retire, no qual a retirada do pedido na unidade é feita no dia seguinte e o formato expresso, que permite a retirada da compra online na loja em até 2 horas após a aprovação do pagamento da compra (e a depender da disponibilidade do produto escolhido).

Outra facilidade omnicanal é a tecnologia chamada Corredor Infinito. Se o cliente não encontrar o produto que deseja na loja, esta tecnologia permitirá que ele consulte rapidamente todo o estoque da marca e encontre a peça desejada dando sequência à compra. Após identificar o item, pode-se optar por recebê-lo em casa com toda comodidade ou retirá-lo via Clique & Retire na loja indicada.       

C&A estimula a sustentabilidade em sua nova loja          
Promover uma moda com impacto positivo é também um grande objetivo da C&A e que não poderia faltar na loja do Itajaí Shopping.  Para isso, a unidade fará parte do Movimento ReCiclo, iniciativa da marca que oferece uma alternativa para dar uma destinação mais sustentável às roupas usadas. As peças depositadas nas urnas do Movimento ReCiclo serão encaminhadas a instituições parceiras para reuso ou reciclagem. Para participar, os interessados podem depositar as peças na urna do ReCiclo disponível na loja. O descarte ambientalmente correto para celulares, pilhas e baterias também pode ser feito na loja por meio da urna do Programa de Lixo Eletrônico da C&A.

CNM celebra manutenção da desoneração da folha para municípios

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) comemorou a decisão do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que, na segunda-feira, 1º de abril,  derrubou  trecho da Medida Provisória 1.202/2023 que revogava a desoneração da folha de pagamento dos municípios. A entidade destaca que, com a medida, Pacheco cumpre o compromisso firmado com os Municípios e garante uma conquista de R$ 11 bilhões ao ano aos Executivos locais.

"É importante lembrar que a redução da alíquota da contribuição previdenciária patronal dos municípios ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS), de 20% para 8%, foi aprovada pelo Congresso Nacional para todos os Municípios com até 156,2 mil habitantes na Lei 14.784/2023, sendo referendada por deputados e senadores em duas oportunidades. Com a decisão, fica mantida a redução de alíquota do INSS de 20% para 8% aos 5.367 Municípios beneficiados", destaca a CNM, em seu portal institucional. 

A Confederação destaca, também, que a MP passaria a ter efeitos em primeiro de abril, reonerando a folha de pagamento dos entes locais já a partir de maio, em relação ao exercício financeiro de abril e que desde a publicação da MP, atuou fortemente junto a senadores e deputados pela manutenção da desoneração da folha de pagamento. "Também buscamos diálogo com o Executivo para garantir uma solução definitiva em relação ao tema", pontua. 

SC

Em Santa Catarina, apenas 10 municípios estão fora do benefício de redução da alíquota do INSS de 20% para 8%, por terem população superior a 156,2 mil habitantes. Outras 285 cidades se enquadram na legislação que desonera a folha. 

Reunião do Cosud no Paraná define estratégias para o andamento dos projetos de ferrovias

Reunião do Grupo de Trabalho de Ferrovias do Cosud definiu estratégias dos estados do Sul para o andamento dos projetos de ferrovias que estão sendo desenvolvidos pelos governos estaduais. O encontro foi realizado nesta quinta-feira, 4, em Curitiba (PR). Participaram representes de cada governo, que estão envolvidos com o projetos ferroviários. O vice-governador do Paraná, Darci Piana, abriu o encontro que também teve a participação do vice-governador do Rio Grande do Sul, Gabriel Souza.

“O entendimento do governador Jorginho Mello é que precisamos integrar os nossos projetos, pois temos o mesmo problema que é a indefinição sobre a renovação da concessão da Malha Sul. E viemos aqui propor isso, pois esta indefinição prejudica a construção de novos trechos de ferrovias e acaba por comprometer a viabilidade dos projetos de ferrovias que estão sendo elaborados”, avaliou o secretário de Portos, Aeroportos e Ferrovias (SPAF) , Beto Martins. O diretor de Modais, Ivan Amaral, também participou da reunião.

O GT das Ferrovias foi criado na última reunião do Cosud (Consórcio de Integração Sul e Sudeste) realizada em março, em Porto Alegre (RS), com o objetivo de buscar a união dos estados em torno do desenvolvimento deste modal, que é considerado de fundamental importância para a logística de transportes.

O vice-governador do Paraná lembrou que “chegou o momento dos três estados sentarem e cada um apresentar a sua proposta e encontrar um caminho comum para resolver definitivamente o problema das ferrovias nos estados do Sul”, disse Darci Piana.

O vice-governador gaúcho afirmou ser crucial rediscutir a modelagem e os investimentos para atender às demandas logísticas dos três estados. “Existem duas características essenciais a serem consideradas. Primeiramente, somos produtores e exportadores de grãos e proteína animal, além de sermos importadores de fertilizantes e outros insumos agrícolas. Em segundo lugar, temos a capacidade de exportar e importar por meio dos nossos portos. Portanto, é fundamental garantir o acesso eficiente aos nossos terminais para otimizar o transporte de cargas”, defendeu.

Ficaram definidos os dois próximos encontros. O primeiro será em 14 de maio em Brasília, em uma audiência com o Ministro dos Transportes e o segundo encontro do GT que será em Florianópolis, em data ainda a ser confirmada.

 

Por Rafael Matos | SPAF  

BRDE participa de evento sobre o futuro da indústria e assina parceria com Senai SC

O Radar Reinvenção, jornada de eventos da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), com objetivo de debater o futuro da indústria catarinense iniciou nesta quarta-feira (03), na sede da entidade em Florianópolis. No foco do primeiro encontro da série de cinco eventos, estiveram debates sobre governança corporativa e a medição e acompanhamento de indicadores de performance.

O presidente do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), João Paulo Kleinübing, foi um dos convidados para moderador o painel “Tendências: referências para o Brasil e Santa Catarina”, acompanhado dos representantes do Grupo BID no Brasil, Leonardo Lahud e Karisa Ribeiro, e do diretor presidente da SC Participações e Parcerias, Renato Lacerda.

“A discussão sobre o futuro da indústria deve abranger tecnologias emergentes, sustentabilidade e a capacidade de adaptação das empresas a essas mudanças. A colaboração entre setores, governos e sociedade é fundamental para moldar um futuro industrial mais inteligente, eficiente e sustentável”, reforça Kleinübing

Na programação do evento estão nomes de referência no cenário empresarial brasileiro, como Décio da Silva, da WEG; Marcelo Cioffi, executivo da PwC Brasil; Cesar Gomes Junior, da Portobello; e o economista e diplomata Marcos Troyjo, entre outros.

Parceria com Senai SC

Durante o evento, o BRDE também assinou um Acordo de Cooperação Técnica com o Senai de Santa Catarina. Entre os objetivos da parceria, é apoiar as cadeias industriais na missão de descarbonização, por meio do hub de descarbonização da FIESC, liderado pelo próprio SENAI. Entre os temas tratados no programa, está eficiência energética da indústria, como troca de motores, equipamentos e automação; geração de energias renováveis, como biodigestores e fotovoltaica, com foco principalmente nas micro e pequenas empresas.

“A descarbonização precisa estar no centro da agenda do setor produtivo e do poder público. A redução das emissões de gases de efeito estufa é essencial para mitigar as mudanças climáticas. O hub é uma iniciativa que visa mobilizar, além do setor produtivo, governo, universidades e centros de pesquisa em busca de uma economia de baixo carbono”, explica Kleinübing.

Entre os benefícios da participação das empresas estão: mais competitividade no mercado global, oportunidades de inovação, atendimento a requisitos regulatórios ou de compliance, melhora da reputação junto aos consumidores e acesso a linhas de “crédito verde”.

Próximos encontros

A Jornada Radar Reinvenção de 2024 terá mais quatro eventos em 2024. No dia 13 de junho, em Chapecó, será analisado o tema Descarbonização e transformação digital. Em Jaraguá do Sul, dia 4 de julho, infraestrutura e mobilidade vão ser os focos em discussão. Transição Energética vai ser o assunto em pauta no encontro do dia 20 de agosto, em Criciúma. O Radar Reinvenção encerra em Florianópolis: nos dias 17 e 18 de outubro. Na ocasião, será debatido o futuro da indústria.

© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt