sexta, 13 de dezembro de 2019
06/03/2008

Portos e Parceria Público-Privada: A experiência norte-americana


A falta de recursos públicos nas três esferas de governo (federal, estadual e municipal) para investimento em infra-estrutura não pode ser desculpa para a manutenção dos gargalos logísticos que obstruem o comércio exterior brasileiro. Há leis e instituições capazes para viabilizar tais obras, todavia, faltam maior conhecimento e vontade política dos governos e conscientização do empresariado para o uso de tais instrumentos, especialmente da parceria público-privada.
A edição da Lei federal n◦. 11.079, de 30 de dezembro de 2004, que institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada no âmbito da administração pública e da Lei Estadual nº. 12.930, de 4 de fevereiro de 2004, que institui o marco regulatório dos programas de parcerias público-privada no âmbito dos poderes do Estado de Santa Catarina, bem como a criação da SC Parcerias e da Agência Reguladora de Serviços Públicos de SC – AGESC (www.agesc.sc.gov.br), juntamente com a condução política da Secretaria de Estado da Infra-estrutura (www.sie.sc.gov.br ) podem e devem colaborar para tal política.

A parceria público-privada é o contrato administrativo de concessão, na modalidade patrocinada ou administrativa. A concessão patrocinada é a concessão de serviços públicos ou de obras públicas de que trata a Lei no 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, quando envolver, adicionalmente à tarifa cobrada dos usuários contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado.

A concessão administrativa, por sua vez, é o contrato de prestação de serviços de que a Administração Pública seja a usuária direta ou indireta, ainda que envolva execução de obra ou fornecimento e instalação de bens.

Ressalte-se que não constitui parceria público-privada a concessão comum, assim entendida a concessão de serviços públicos ou de obras públicas de que trata a Lei no 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, quando não envolver contraprestação pecuniária do parceiro público ao parceiro privado.

Além disso, é vedada a celebração de contrato de parceria público-privada: a) cujo valor do contrato seja inferior a R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais); b) cujo período de prestação do serviço seja inferior a 5 (cinco) anos; ou c) que tenha como objeto único o fornecimento de mão-de-obra, o fornecimento e instalação de equipamentos ou a execução de obra pública.

Em 2006 foi constituída a sociedade por ações denominada SC Parcerias S.A. (www.scparcerias.com), e tem por objetivo gerar investimentos no território catarinense que visem, prioritariamente: a duplicação de rodovias em território catarinense; a conclusão e restauração da BR 282; a exploração de concessões de rodovias, bens e utilidades públicas; a ampliação, modernização e construção de portos no território catarinense; a ampliação dos sistemas de água e esgoto; a ampliação, construção e reforma de instalações de equipamentos destinados a entretenimento, lazer e incremento do turismo; o desenvolvimento e o gerenciamento de projetos estratégicos para o Estado de Santa Catarina; a atração de investimentos, nacionais e estrangeiros, e a implantação de novas empresas no Estado e participar de empresas ou sociedades de propósito específico cuja finalidade de constituição seja a de gerar investimentos no território catarinense.

Para cumprir seus objetivos, a empresa deverá apoiar e viabilizar a implementação do Programa de Parcerias Público-Privadas – PPP instituído pela Lei Estadual nº. 12.930/2004, podendo para isso celebrar, de forma isolada ou em conjunto com a administração direta ou indireta do Estado, contratos que tenham por objeto: a elaboração de estudos técnicos sobre a viabilidade econômica e a modelagem recomendada para a estruturação de projetos PPP; a instituição de concessões em regime PPP; a locação ou promessa de locação, arrendamento, cessão de uso ou outra modalidade onerosa, de instalações e equipamentos ou outros bens, vinculados a projetos de PPP, de concessão comum, ou de permissão; a assunção total ou parcial de direitos e obrigações decorrentes de contratos previstos na citada lei.

Nesse quadro, deve-se mencionar a experiência norte-americana na atividade portuária. Nos dias 3 a 5 de dezembro de 2007, ocorreu em Coral Gables, Flórida, conferência que discutiu os investimentos em infra-estrutura, especialmente nos portos e obras intermodais. Com um grande número de executivos de portos, transportes aquaviários e comunidade financeira, a luta pela expansão das infra-estruturas de portos e intermodal deve ser ainda maior em face do tsunami logístico a ser enfrentado brevemente pelos portos norte-americanos, com o aumento da carga marítima.
Nos últimos cinco anos o comércio de contêineres nos Estados Unidos aumentou a uma taxa anual de 6,8 %. Em face da rápida expansão do comércio global, esse comércio aumentará 50 % até 2015, ou seja, de 48 milhões de TEUs em 2005 para 72 milhões em 2015. Até 2020, os portos norte-americanos e seus sistemas intermodais associados estarão bastante congestionados, com a demanda excedendo a capacidade atual em até 200 %, se forem mantidas a produtividade atual e os níveis de crescimento.

Então, de que forma os portos dos EUA podem enfrentar tal luta ? Alguns especialistas assumem que isso poderá ser resolvido com a operação portuária durante 24 horas por dia e sete dias na semana, como muitos portos fazem. Mas há motivos que tornam tal argumento impraticável nos portos dos EUA, como a regulação local e limitação das horas de operação; a estiva inadequada e a necessidade de tempo sem operação para manutenção de rotina. Somente os portos asiáticos, tais como Cingapura e Hong Kong, excedem a produtividade dos portos dos EUA. Muitos deles são portos de transbordo que não precisam mover contêineres através do portão (gate) como é o caso dos portos norte-americanos.

Em casos raros, os grandes armadores privados construíram os seus próprios terminais, como o Maersk Marine Terminal em Portsmouth, Virgínia, que é primeiro porto construído e privadamente financiado por uma empresa de navegação. Mas na maioria das vezes, as principais obras de expansão e melhoramentos da capacidade portuária e conexões intermodais são pagas pelos contribuintes locais.
Essa noção de arcar com tais custos tem sido questionada algumas vezes, tal como nas melhorias do Porto de Houston. O diretor do porto Steve Radack questiona que a autoridade portuária deveria financiar o gasto de U$ 550 milhões com recursos das tarifas do porto em vez de usar tributos ad valorem ou incidente na propriedade local. Mesmo assim, o valor de U$ 250 milhões de tributos foi aprovado com 65 % de apoio popular, menciona Tom Kornegay, Executive Director do Port of Houston Authority.

Em alguns casos, a receita interna pode ser factível, tal como no Port of New Orleans, onde 90 % da receita vem das tarifas das docas, armazenagem e outras tarifas. Ocorre que a discussão no Port/Intermodal Summit de Coral Gables mostra que as autoridades portuárias estão procurando novas fontes de financiamento das obras e inovadoras abordagens para financiar a expansão e os melhoramentos dos portos e suas infra-estruturas de acesso.

Como exemplo, tarifas de contêiner têm sido usadas como parte do financiamento dos custos de construção do Alameda Corridor e do Miami Port Tunnel (U$1,2 bilhão) e do Port of Savannah Connector. Os dois últimos serão financiados sem qualquer investimento inicial de origem pública. Concessionários privados investirão e assumirão os riscos. A autoridade portuária pagará uma quantia aos concessionários (durante 35 anos no caso do Miami tunnel), baseada na condição e na performance da infra-estrutura e sua oferta para uso público. Se os níveis de manutenção, congestionamento ou outras medidas de performance não forem alcançados, os pagamentos serão reduzidos.

Nesse quadro, uma nova tendência pode afetar profundamente o interesse dos mercados de fundos privados nos portos. Embora sempre tenha havido a discreta propriedade privada de armazéns e portos nos Estados Unidos, há um novo reconhecimento dos investidores institucionais privados de longo prazo de que os portos representam um grande setor para investimento. A crescente escassez de portos com grande calado e obstáculos ambientais para construção de novos portos faz com que haja uma reavaliação do potencial do setor para atração de investimento.

Exemplos recentes de investimentos nos portos são o leasing de longo prazo do Port of Newark pelo AIG Global Investment Group; a aquisição pela divisão de investimento do Deutsche Bank do Maher Terminals, a companhia que opera o Port of Elizabeth em New Jersey e Port of Prince Rupert na British Columbia; e a compra para operar o terminal de Staten Island, New York, pelo Ontario Teachers Pension Fund. Em cada caso, os investidores privados devem injetar mais capital para impulsionar o seu investimento.

No encontro - Summit – acima vários novos investimentos serão feitos. O Port of New Orleans está preparando um edital convidando o setor privado a investir U$ 2 bilhões num programa de expansão do porto com um novo terminal de contêiner e de navios de passageiro. O Port of Portland, em Oregon, avalia uma concessão de longo prazo para sua infra-estrutura e outros portos procuram investidores privados para expansão das suas infra-estruturas como Oakland, Virginia e Corpus Christi.

O governo federal norte-americano não tem recursos para arcar com tais obras, de forma que governos estaduais e locais devem atuar em parceria com a iniciativa privada para expandir a infra-estrutura portuária.

No caso brasileiro e catarinense, a experiência norte-americana pode ser útil, especialmente quando há instrumentos legais e institucionais federais e estaduais, como as leis de PPP, a SC Parcerias, a AGESC e a Secretaria de Estado de Infra-estrutura. Afinal, essas leis e instituições mantidas com uma carga tributária excessiva e incomparável, criadas há mais de 3 anos, precisam sair do papel e mostrar aos contribuintes e à comunidade empresarial catarinenses a que vieram.



Safra da esperança

Por José Zeferino Pedrozo
Além da importância para a segurança alimentar do País, o setor primário em geral e a agricultura em particular têm uma capacidade extraordinária de gerar respostas econômicas. Por isso, importantes lideranças nacionais vêm defendendo uma estratégia de Estado – e não apenas de governo – para o agronegócio brasileiro, como a saída mais rápida e mais viável da crise em que se meteu o Brasil.

Ex-tarifário e seus benefícios

Por Milton Lourenço
– Não há dúvida que a falta de confiança no governo Dilma Roussef, causada por incertezas relacionadas à área fiscal, foi o principal fator que levou a economia brasileira para baixo. Agora, com a retomada da confiança pelos investidores após o seu afastamento, já se desenha no horizonte um processo de recuperação pelo qual o País deverá passar nos próximos anos.

Sem pacificação não vamos a lugar nenhum

Por José Zeferino Pedrozo
O recém-encerrado processo de afastamento da presidente Dilma Rousseff, agora em caráter permanente, exige uma avaliação isenta e escoimada de apegos ideológicos. De um lado, é necessário reconhecer que as instituições republicanas revelaram-se suficientemente fortes e maduras para cumprir rigorosamente os preceitos constitucionais e o rito definido pelo Superior Tribunal Federal.

O fim do TTIP e o Brasil

Por Milton Lourenço
Por enquanto, o Brasil pode respirar aliviado não só pelo fim definitivo do ciclo que marcou a permanência do lulopetismo no poder e as graves consequências que redundou na economia do País como também pelo fracasso das negociações entre Estados Unidos (EUA) e União Europeia (UE) para a formação do Transatlantic Trade and Investiment Partnership (TTIP), ou apenas Parceria Transatlântica, que, se formalizado, iria abarcar, mesmo sem a China, mais de 75% do comércio de bens do planeta.

Gestão e infraestrutura

Por Mário Lanznaster
Existem muitas coisas que os agentes econômicos em geral e os empresários em particular estão tendo cada dia mais dificuldade em tolerar. Uma delas é a crônica má gestão que impregna todo o setor público, incluindo a administração indireta e as empresas de economia mista, e que se revela pelo desperdício de dinheiro público, pela corrupção e pela ineficiência generalizada.

Quando as pessoas colocam os processos empresariais em risco

Por Outros
“A confiança em si mesmo é o primeiro segredo do sucesso. O segundo é poder confiar em quem trabalha com você.”

O que há por trás da crise no Mercosul

Por Milton Lourenço
Um balanço sobre os prejuízos causados à Nação pelo ciclo de 13 anos, três meses e 24 dias de lulopetismo ainda está para ser feito e só será completado, provavelmente, quando as suas principais figuras já estiverem apenas nos livros de História, mas, desde já, não custa assinalar algumas das decisões erráticas que marcaram seus três governos e meio. Uma delas foi o apoio à entrada da Venezuela no Mercosul em 2012, decisão eminentemente política, pois o Brasil à época já havia assinado um acordo com os venezuelanos que garantia as mesmas tarifas do bloco, o que pouco afetaria a relação comercial entre os dois países.

Crédito rural e sua importância como política pública para o Brasil

Por Mário Lanznaster
Nas Nações evoluídas, a agricultura e o agronegócio são considerados áreas essenciais que merecem apoio e proteção especial do Estado, tendo o crédito rural subsidiado como uma das mais eficientes políticas de apoio. Nos últimos tempos, esse tema tem sido objeto de grande preocupação para o agronegócio brasileiro. A crise econômica impactou fortemente na disponibilidade de recursos. De um lado, houve redução de disponibilidade de recursos pelas instituições financeiras, em razão da queda da poupança e dos depósitos à vista que, somado à elevação dos juros (necessário para melhor equação dos gastos públicos com os subsídios), encareceu o financiamento da produção.

Quando as pessoas colocam os processos empresariais em risco

Por Daniel Gobbi Costa
“A confiança em si mesmo é o primeiro segredo do sucesso. O segundo é poder confiar em quem trabalha com você.”

Uma saída para o Brasil

Por Milton Lourenço
Entre os 15 maiores exportadores, 14 têm suas pautas de exportação concentradas em produtos manufaturados. O Brasil não está incluído nesse seleto grupo, ocupando apenas a 25ª colocação no ranking de 2015 elaborado pela Organização Mundial do Comércio (OMC), embora tenha o 9º Produto Interno Bruto (PIB) do planeta, o que mostra que teria tudo para estar entre os 15 maiores. O fato triste nessa constatação é que, até o final de 2016, de acordo com os resultados do primeiro semestre, o País deverá cair para a 29ª colocação.

Porto de Santos em crescimento

Por Milton Lourenço
O relatório anual que a Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal), criada em 1948 pelo Conselho Econômico e Social da Organização das Nações Unidas (ONU), mostra que o porto de Santos continuou a ocupar em 2015 o primeiro lugar na movimentação de contêineres no continente, com 3,6 milhões de TEUs, o que representou um crescimento de 2,1% em relação a 2014 (3,5 milhões de TEUs). Segundo a Cepal, nos 120 portos da região analisados, a atividade cresceu 1,7%, com um volume aproximado de 48 milhões de TEUs.

Choque de realidade e choque de gestão

Por Mário Lanznaster
Toda crise, por mais pavorosa que seja sua origem e por mais graves que sejam seus efeitos, tem um aspecto positivo. A presente crise política, ética e econômica que se abateu sobre a Nação brasileira pode ter um resultado positivo se revestirmos nossas avaliações com a visão independente, a sensatez do raciocínio lógico e a capacidade de interpretação dos fenômenos subjacentes.

Comércio exterior: nem tudo está perdido

Por Milton Lourenço
Em 2015, o valor total das exportações agrícolas no mundo alcançou um número sem precedentes: 81,3 bilhões de euros. Como mostram dados da Statistics Netherlands (CBS), o primeiro lugar de maior exportador de produtos agrícolas ficou com os Estados Unidos, o segundo lugar com a Holanda, seguida pela Alemanha, Brasil e França. Esses dados só reforçam as boas perspectivas que se avizinham para o setor.

A má gestão, a crise do milho e a vida dos brasileiros

Por Mário Lanznaster
Uma gestão eficiente ou, apenas, uma gestão racional, é pré-requisito para que tudo – na vida privada, na vida empresarial, na vida pública – funcione com razoável eficiência. Dizer isso parece uma verdade trivial, mas, indagam os contribuintes brasileiros, por que muitas estruturas estatais não agem guiadas por esse princípio básico?

OMC: mudança de orientação

Por Milton Lourenço
Embora um pouco desacreditada em razão da assinatura de vários acordos regionais nos últimos tempos, a Organização Mundial do Comércio (OMC), com sede em Genebra, ainda se mantém como um foro de excelência do multilateralismo comercial. Tanto que seus membros representam mais de 98% do comércio mundial e a entidade tem cumprido um papel importante pelo menos quando chamada a dirimir controvérsias no comércio entre países.

Comércio exterior: começar de novo

Por Milton Lourenço
Se o novo presidente quiser mostrar serviço, em vez de extinguir o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic), passando suas atribuições ao Ministério das Relações Exteriores, como já foi cogitado - a pretexto de eliminar órgãos e cargos desnecessários - deve começar por acabar com a função de assessor especial da Presidência da República para assuntos internacionais. É de se lembrar que foi exatamente a atuação desse tipo de assessor que, nos últimos treze anos, levou o nosso comércio exterior à situação crítica de hoje.

A "Hidra" dos bancos

Por Miguel Nozar
Bem, essa terrível imagem da Hidra (monstro mitológico assustador com várias cabeças de serpente e que nasciam duas no lugar quando uma era cortada) se aproxima muito de um fiel retrato do sistema financeiro global: apenas 28 bancos detém, juntos, 90% dos ativos disponíveis entre mais de 100.000 instituições existentes. Ou seja, abraçam uns 60 trilhões de dólares – trilhões mesmo -, o equivalente a 75% de toda a riqueza produzida no mundo, medida pelo Produto Interno Bruto (PIB) em 2014. Uma brutalidade!

A importância da CISG e da arbitragem para o transporte marítimo e a atividade portuária

Por Osvaldo Agripino de Castro Jr.
Em 2013, segundo a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), cerca de 90% das importações do Brasil em toneladas ocorreram por via marítima, enquanto na exportação foram 98% ¹. Esse modal, portanto, demanda intensa atividade portuária, com diversas possibilidades de avarias marítimas e portuárias, assim como intervenção estatal, em face do controle aduaneiro e da regulação dos diversos órgãos intervenientes.

A história do capitalismo brasileiro

Por Adelto Gonçalves
Composto pelas histórias pessoais e empresarias de cinquenta e um empreendedores em atividade entre os anos de 1962 e 2013, o livro "Empresários Brasileiros" ajuda a compreender a construção do capitalismo no Brasil.

Comércio exterior em recuperação

Por Milton Lourenço
Independentemente de quem venha a assumir o governo, com o possível impedimento da atual mandatária, prevê-se desde logo uma reação da economia, já que ficará definitivamente banida a mentalidade tacanha que fez o País mergulhar nessa que já é considerada a pior recessão desde a crise de 1929.

Basta de cinismo e deboche!

Por Marcos Antonio Zordan
O maior e mais deletério efeito dessa conjugação de crises política, econômica e moral que assola o Brasil é o surgimento de um sentimento amargo que cala fundo no coração de todos os brasileiros: a descrença no regime democrático.

Futuro passa por novos acordos

Por Milton Lourenço
Futuro passa por novos acordos

Mercosul: balanço de 25 anos

Por Milton Lourenço
O Mercosul, criado a 26 de março de 1991, chega à marca dos 25 anos, senão como uma iniciativa coroada de êxito, pelo menos como um empreendimento que alcançou mais pontos positivos que negativos. Reunindo Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai, países fundadores, e Venezuela, que completou seu processo de adesão em 2012, o bloco constitui, sem dúvida, a mais abrangente iniciativa de integração regional já implementada na América Latina.

Insensibilidade do poder público

Por Milton Lourenço
Causa estranheza a insensibilidade como o poder público vem tratando a questão dos terminais que operam granéis sólidos de origem vegetal no Corredor de Exportação do Porto de Santos. Como se sabe, a prefeitura santista alterou a Lei de Uso de Ocupação do Solo para impedir a atividade na área da Ponta da Praia, sugerindo que os terminais sejam transferidos para a área continental do município, pouco povoada, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu liminar suspendendo a lei municipal que proíbe as operações.

Os caminhos da reindustrialização

Por Milton Lourenço
Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a indústria de transformação só tem apresentado declínio nos últimos 35 anos, chegando hoje a um ponto crítico que, se não for revertido logo, poderá comprometer o futuro do País, devolvendo-o à condição de fornecedor de matérias-primas, como nos séculos XVIII e XIX.

Porto de Santos: 124 anos

Por Milton Lourenço
No dia 2 de fevereiro, completaram-se 124 anos da criação do porto de Santos, embora a primeira presença de navios na barra e no canal do estuário da antiga vila seja hoje informação perdida no tempo. Comemora-se essa data porque foi em 1892 que atracou o vapor Nasmyth, da armadora inglesa Lamport & Holt,no primeiro trecho de cais com 260 metros lineares construído no lugar dos velhos trapiches no local então conhecido como Porto do Bispo, na região onde hoje se localiza o Centro da cidade.

A quem interessa

Por Miguel Nozar
A queda aparentemente sem freio da economia brasileira é alegremente festejada nos subterrâneos de Wall Street, em Nova York, e da City, de Londres, antecipando uma festança animada pela queda de valor dos ativos brasileiros, propiciando sua compra a “preços de banana”, na expressão burlona de um executivo londrino do ICAP GROUP. líder mundial do setor de transações e investimentos internacionais.

Davos 2016

Por Miguel Nozar
Davos, a famosa estação de esqui da Suíça foi, uma vez mais, palco do Fórum Econômico Mundial, reunindo quase 3.000 figuras exponenciais dos negócios, das finanças, dos governos e de entidades chaves na condução das atividades que fazem a riqueza (e as tribulações) de nossa civilização nesse princípio de Século XXI.

Insegurança: até quando?

Por Milton Lourenço
O incêndio que atingiu, no dia 14 de janeiro, 20 contêineres refrigerados que armazenavam produtos químicos no pátio alfandegado da Localfrio, na margem esquerda do porto de Santos, em Guarujá, não alcançou as proporções daquele que ocorreu na margem direita, no Distrito Industrial da Alemoa, em abril de 2015, mas serviu para deixar mais uma vez à mostra a flagrante falta de infraestrutura do País em quase todos os segmentos. Se um incêndio de pequenas proporções provocou tantos transtornos, é de se imaginar o que ocorreria num acidente de grandes proporções.

Poucos com muito

Por Miguel Nozar
Em recente relatório divulgado previamente à reunião de Davos16, a Oxfam, organização líder mundial na sistematização e análise de informações sobre distribuição da riqueza globalizada e que assessora a ONU sobre o tema, publica dados que revelam claramente que vivemos num mundo profundamente desigual, donde apenas 1% da população mundial acumula 99% da riqueza planetária.

O porto de Santos e seus recordes

Por Milton Lourenço
Apesar da crise global e das consequências de uma orientação equivocada que, a partir de 2003, passou a misturar política com comércio exterior, prejudicando a colocação de produtos manufaturados nos EUA, o maior mercado do planeta, o porto de Santos continua a bater recordes: em 12 anos, praticamente, dobrou sua movimentação de cargas, em função da exportação de commodities, especialmente soja (grãos e farelo), açúcar, milho, álcool e café em grãos. Se não tivesse havido tamanha retração nas vendas de manufaturados e o parque industrial brasileiro continuasse a produzir em ritmo crescente ou ao menos nos níveis anteriores, o País hoje não estaria mergulhado em recessão. Pelo contrário. Seria um oásis que atrairia investimentos do mundo inteiro.

Comércio exterior: nova política

Por Milton Lourenço
Se o Brasil hoje detém menos de 1% de participação no comércio mundial, depois de ter alcançado 1,41% em 2011, culpa cabe à política equivocada que o seu governo adotou a partir de 2003, quando o Ministério das Relações Exteriores perdeu completamente sua autonomia, passando a responder à Assessoria Especial da Presidência da República. Segundo aquela orientação ideológica e partidária, os Estados Unidos seriam o grande satã do planeta e o País deveria lutar para deixar de ser dependente de sua economia, idéia que levou Brasil e Argentina a boicotarem deliberadamente as negociações para a formação da Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

O grande desafio: a dívida

Por Miguel Nozar
No andar desvairado desse tempo louco, pleno de incertezas, de presságios calamitosos e de visões apocalípticas, nada mais oportuno que lembrar alguns ensinamentos colhidos da experiência de lideres que souberam afrontar a borrasca e manter o rumo na direção de um desenvolvimento contínuo, sustentável e decisivo para manter viva a esperança de um futuro cada vez melhor.

O que esperar de 2016

Por Milton Lourenço
Segundo projeções da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), o País, que em 2011 detinha 1,41% das exportações mundiais, em 2016, deverá contentar-se com 0,98% de tudo o que se vende no planeta, seguindo a tendência negativa que tem marcado os últimos anos: em 2012, essa participação caiu para 1,33%; em 2013, para 1,32%; em 2014, para 1,19%; e em 2015, para 1%. Mais: depois de ocupar em 2013 a 22ª posição no ranking mundial de exportação, o Brasil deverá cair para a 29ª colocação em 2016, depois de ter ficado na 25ª em 2014 e 2015.

Faesc preocupada com importação de frutas da China

Por José Zeferino Pedrozo
A cadeia produtiva da fruticultura catarinense está preocupada com a possibilidade de ingresso da maçã chinesa no mercado brasileiro. A questão é fitossanitária e mercadológica: a China convive com pragas que já foram erradicadas no Brasil e pratica preços muito baixos porque mantém subsídios ao produtor – o que é condenado pela Organização Mundial do Comércio.

Porto sem papel e comunicação

Por Milton Lourenço
Nos últimos dias de 2015 e início de 2016, o porto de Santos viveu o pior dos mundos, situação que só não foi mais grave porque o País estava entregue às comemorações da passagem do ano. E também porque não estavam programadas atracações de navios de cruzeiro. Durante aqueles dias, o porto passou pelo menos 48 horas sem comunicação com os programas Porto Sem Papel, Sistema Integrado de Comércio Exterior (Siscomex) e Datavisa, gerenciados respectivamente pela Secretaria de Portos (SEP), Receita Federal e Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

LA PAUTA ESQUECIDA

Por Miguel Nozar
Em seminário prévio à Reunião de Cúpula do MERCOSUL, realizada no final de dezembro, o ex-presidente do Uruguai, José Mújica, fez referencia à lentidão do processo de integração e a falta e consenso entre os sócios, especialmente Argentina e Brasil, destacando de modo incisivo: “A tragédia é que sacrificamos o porvir de nossos povos no altar de egos e interesses menores. Os dirigentes e os políticos da região serão julgados pela Historia pelos danos que trouxeram à causa comum de um maior e mais justo progresso das nações do bloco”.

Faesc prevê dificuldades no abastecimento de milho no primeiro semestre

Por José Zeferino Pedrozo
Será complicado o abastecimento de milho para as cadeias produtivas da avicultura e da suinocultura industrial em Santa Catarina no primeiro semestre deste ano: o grão está caro e escasso, portanto, com preço em ascensão. A avaliação é do presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), José Zeferino Pedrozo. A situação somente irá melhorar no segundo semestre, com a entrada da safrinha.

Entre o otimismo exagerado e o pessimismo exacerbado

Por Mário Lanznaster
Conquistar novos mercados para produtos brasileiros é essencial para fortalecer nossa presença no comércio internacional. Isso é positivo e deve ser comemorado – na medida certa. Nos últimos anos, os anúncios de conquista de novos mercados para a carne brasileira vêm revestidos de um exagerado otimismo, cujo efeito é a geração de expectativas desconectadas da realidade econômica e mercadológica e, por via de consequência, a frustração de vários agentes da cadeia produtiva.

A eterna equação do milho

Por José Zeferino Pedrozo
Santa Catarina possui o mais avançado parque agroindustrial do Brasil, representado pelas avançadas cadeias produtivas da avicultura e da suinocultura. Essa fabulosa estrutura gera uma riqueza econômica de mais de 1 bilhão de aves e 12 milhões de suínos por ano, sustenta mais de 150 mil empregos diretos e indiretos e gera bilhões de reais em movimento econômico.

O GRANDE DESAFIO

Por Miguel Nozar
A Conferencia Mundial do Clima, COP 21, realizada em Paris sob os auspícios das Nações Unidas – que tem liderado a luta para incentivar os países a implementar medidas urgentes para combater o aquecimento global – finalizou com um acordo histórico que, para muitos cientistas pode significar um ponto de inflexão na desvairada corrida na “construção de um mundo sujo” alheio aos danos causados à Mãe Natureza e nos limites ecológicos do Planeta.

Mercosul e neocolonialismo

Por Milton Lourenço
Quem conhece minimamente História sabe das consequências do Tratado de Methuen para Portugal e Brasil. Também conhecido como Tratado dos Panos e Vinhos, esse acordo entre Inglaterra e Portugal, que vigorou de 1703 a 1836 e levou esse nome em homenagem ao negociador pelo lado inglês, o diplomata John Methuen (1650-1706), envolvia a troca entre produtos têxteis ingleses e vinhos portugueses.

O grande Desafio

Por Miguel Nozar
A Conferencia Mundial do Clima, COP 21, realizada em Paris sob os auspícios das Nações Unidas – que tem liderado a luta para incentivar os países a implementar medidas urgentes para combater o aquecimento global – finalizou com um acordo histórico que, para muitos cientistas pode significar um ponto de inflexão na desvairada corrida na “construção de um mundo sujo” alheio aos danos causados à Mãe Natureza e nos limites ecológicos do Planeta.

UMA LUTA DE TODOS

Por Miguel Nozar
A Conferencia Mundial do Clima, COP-21, realizada em Paris no início de Dezembro, com a presença de 195 países mais a EU, desde já considerada o mais importante encontro global na tentativa de encontrar um consenso para um compromisso entre todas as nações com o objetivo de manter o aumento da temperatura média da Terra, até o fim do Século, dentro de limites que permitam a continuidade de nossa civilização.

OS GEMIDOS DA TERRA

Por Miguel Nozar
Ainda que para muitos possa parecer exagerado – nesse grupo tem destaque muito especial aqueles aferrados ao sistema vigente de produção de riqueza, independente dos danos causados a Natureza – as evidencias científicas e as projeções realizadas pelos melhores especialistas do mundo, não deixam dúvidas de que a mudança climática é o suficiente real e perigosa como para sacudir, de modo catastrófico, as bases de nossa civilização.

O Brasil, a Argentina e o mundo

Por Milton Lourenço
A eleição de Maurício Macri para a presidência da Argentina tem tudo para reverter o rumo equivocado que o Mercosul tomou nos últimos doze anos, quando, em vez de funcionar como uma efetiva união aduaneira, transformou-se em fórum de debates políticos e inconsequentes. Desde logo, o presidente argentino anunciou que pretende, ao lado do Brasil, levar o Mercosul a procurar uma aproximação não só com a Aliança do Pacífico, mas com os EUA e a União Europeia (UE), “para tirar a Argentina da situação de isolamento em que se encontra”.

Para colocar o Brasil nos eixos

Por Milton Lourenço
Foi em 2011 que o Brasil conseguiu atingir a marca de 1,41% de participação nas exportações mundiais, o seu melhor resultado em 50 anos, mas, desde então, esse índice só tem caído, segundo dados da Organização Mundial do Comércio (OMC). Em 2012, a marca foi para 1,33%, em 2013 para 1,32%, índice igual ao de 2008, em 2014 para 1,22% e em 2015 projeta-se que deve ficar em torno de 1,15%.

A crise e a falta de bom senso

Por Milton Lourenço
De 2000 para 2014 as exportações mundiais saltaram de US$ 6 trilhões para US$ 22 trilhões e o Brasil acompanhou essa tendência quadruplicando suas vendas para o mercado externo, que passaram de US$ 55 bilhões para US$ 225 bilhões. Pode parecer muito, mas esse crescimento poderia ter sido maior, tivesse tido o País administradores públicos mais responsáveis, que promovessem investimentos em infraestrutura superiores aos 2,5% do Produto Interno Bruto (PIB) da última década.

CORAGEM PARA MUDAR

Por Miguel Nozar
Resulta por demais evidentes que nos encontramos numa época sem precedentes nos tempos modernos, demarcada por uma conjugação de tendências conflitantes que, tudo parece assim indicar, devem ser os primeiros sinais de uma mudança profunda no relacionamento entre as os povos, as pessoas e as nações e, destes, com o Planeta Terra.

Para onde vai a China?

Por Milton Lourenço
Quem vive o dia-a-dia do comércio exterior sabe que, depois de 35 anos de êxitos econômicos, a China deparou-se em 2009 com uma recessão mundial e teve de abandonar a antiga política de exportar maciçamente produtos de baixa qualidade, substituindo-a por outra de alto valor agregado com base em tecnologia de ponta. Como isso exige cérebros mais desenvolvidos, o governo chinês tem investido muito em educação para formar grandes contingentes de mão-de-obra especializada.
Autor:

Osvaldo Agripino de Castro Jr.

Advogado, Sócio do Agripino & Ferreira, Pós-Doutor em Regulação e Portos (Harvard University) e Professor da Univali (Mestrado e Doutorado)

Colunistas

Caio César Ferrari Santângelo
Carlos Augusto Silveira
Cláudio Gustavo Daudt
Eclésio Silva
Fernando Padilha
Gregory Petter dos Santos
Joana Stelzer
Manoel Antonio dos Santos
Osvaldo Agripino de Castro Jr.
Carlos Fernando Priess
Rafael Melo
Roberto Roche
Roberto Veiga
Romeu Zarske de Mello
Odilon Fehlauer
Outros
Alexandre Gonçalves da Rocha
Celso Amorin
Bruno Tussi
Milton Lourenço
Dalva Santana
Antonio Corrêa de Lacerda
Kennedy Alencar
Roberto Rodrigues
Marcos Cintra
José Manuel Meireles
Sandro Tavares
Renan Schaefer Andrade
Ira Sobreira
José Zeferino Pedrozo
Bruno Queija
Pedra Santana Alves
Emerson Luiz Andrade
Rodrigo da Rocha Loures
Luiz Carlos Mendonça de Barros
Rogério Mori
Sebas van den Ende
Lilian Taborda
Simone Costa
Dalmir Sant’Anna
Edneia Pinto Moura
Ricardo Irineu da Silva
Paulo Araújo
Prof. Menegatti
Luiz Carlos da Silva Flores
Paulo Felicioni
Carlos Olla
Fabrício Fassina
Mauro Kahn & Pedro Nóbrega
Simone Ferreira
Rafael Silvério
Luiz Carlos Furtado Neves
Maysa Cristina Fischer
Moysés Borges Furtado Neto
Márcio de Freitas
Robson Zanetti
Marcelo Salmaso
Wagner Campos
Soeli de Oliveira
Marcos Antonio Ribeiro Andrade
Rafaela Moreira
Miguel Nozar
Edson De Paula
Rudson Borges
Tom Coelho
Sonia Jordão
Marizete Furbino
Marcelo Braga
Saul Brandalise Júnior
Helio Rebello
Mauro Lourenço Dias
Moris Kohl
Marcus Eduardo de Oliveira
Luiz Henrique da Silveira
Luiz Carlos Pauli
Marcos Luthero
Marcos Luthero
Manteli Wilen
Derly Massaud de Anunciação
Janaina Paes de Farias
Denilson Roberto Kasteller
Mariana Brizotto
Mário Lanznaster
Marcelo Murin
Orlando Oda
Vagner Miranda
Dane Avanzi
Marcos Morita
Daniel Gobbi Costa
Cassio Vieceli
Leonardo Flock
Renan Rossi Diez
Adelto Gonçalves
Marcos Antonio Zordan
© Copyright 2000-2014 Editora Bittencourt